Última hora
This content is not available in your region

Montenegro aprova lei polémica sobre direitos religiosos

Montenegro aprova lei polémica sobre direitos religiosos
Direitos de autor
AP
Tamanho do texto Aa Aa

O Parlamento de Montenegro aprovou, esta sexta-feira, uma lei polémica sobre os direitos religiosos. A sessão plenária foi interrompida por tumultos que levaram à detenção de 22 pessoas, onde se incluem os 17 deputados da oposição pró-sérvia.

Os parlamentares terão atirado uma lata de gás lacrimogéneo para o hemiciclo e destruíram alguns microfones, tentando com isso impedir a votação.

A lei, adotada por maioria, prevê a nacionalização de bens que as igrejas não conseguirem provar que a propriedade é anterior a 1918, altura em que o país perdeu a independência e foi integrado no reino dos sérvios, croatas e eslovenos.

O primeiro-ministro, Dusko Markovic, condenou os tumultos no Parlamento e disse estar confiante que a lei será bem recebida pelos cidadãos.

"Condeno estas ações, que são impróprias e irresponsáveis para com os outros legisladores e irresponsáveis para com os cidadãos de Montenegro, mas acredito que esta será uma boa experiência para todos e que algo como isto nunca mais acontecerá".

À porta do edifício do Parlamento, em Podgorica, centenas de pessoas manifestaram-se em protesto contra a nova legislação. As manifestações foram incentivadas pela Igreja Ortodoxa Sérvia, a principal instituição religiosa no país, que possui centenas de propriedades, entre conventos, mosteiros e terrenos.

"Reiteramos que não queremos que a lei seja abolida, mas promulgada de acordo com a Comissão de Veneza, através do diálogo com a Igreja e outras comunidades religiosas. Até agora, não tivemos verdadeiramente esse diálogo", afirmou o bispo Amfilohije Radovic, líder da Igreja Ortodoxa Sérvia em Montenegro.

A Igreja Ortodoxa Sérvia afirma que a lei "promove o ódio", é "discriminatória e inconstitucional". Os líderes religiosos do país prometem continuar com os protestos.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.