Última hora
This content is not available in your region

Pedro Sánchez preparado para governar

Pedro Sánchez preparado para governar
Direitos de autor
euronews
Tamanho do texto Aa Aa

Mais uma assinatura e mais um passo em direção ao novo governo. O primeiro-ministro interino, Pedro Sánchez, e o líder do Unidas Podemos, Pablo Iglesias, voltaram a unir esforços e assinaram, segunda-feira, novo acordo. A base para a formação de um governo, uma coligação progressista, de cariz social e anti-austeridade:

"Acreditei sempre que em política não basta existir, é preciso agir e avançar com os meios disponíveis, aqui e agora. Este programa representa a nossa vontade conjunta, a do partido Socialista e do Unidas Podemos, não apenas de ser governo mas de governar", afirmou o chefe interino do executivo madrileno.

Com este anúncio, Sánchez mostra-se convencido de que tem o apoio necessário para ser investido e continuar a chefiar o executivo espanhol,. Principalmente, depois de a Procuradoria-Geral ter pedido ao Supremo Tribunal a libertação do líder independentista catalão, Oriol Junqueras, para que este possa ocupar o seu lugar no Parlamento Europeu. O Tribunal de Justiça da União Europeia tinha determinado que o político deveria gozar da imunidade parlamentar que o cargo lhe permite. Ainda que a questão possa não estar, ainda, concluída.

Os novos desenvolvimentos agradam à Esquerda Republicana que realiza, na quinta-feira, uma reunião do seu conselho nacional e tudo parece encaminhar-se para uma abstenção dos 13 deputados da formação de Junqueras, importante para os planos de Sánchez que terá o apoio dos nacionalistas bascos.

Após quatro eleições em quatro anos, Espanha parece, finalmente, encontrar uma saída com um governo que se propõe, e entre outras coisas, subir os impostos sobre as empresas e sobre receitas superiores a 130.000 euros, aumentar o salário mínimo até atingir os 1.200 euros e revogar, parcialmente, a reforma da lei do trabalho.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.