Milanovic vence presidenciais croatas

Milanovic vence presidenciais croatas
Direitos de autor AP Photo/Darko Bandic
Direitos de autor AP Photo/Darko Bandic
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Um duro golpe para o poder conservador, poucos dias depois do país assumir presidência rotativa da UE e em ano de legislativas

PUBLICIDADE

A Croácia escolheu este domingo a mudança na segunda volta das eleições presidenciais, elegendo o social-democrata Zoran Milanovic com 53 por cento dos votos.

O voto à esquerda contraria a tendência da maioria dos países da Europa Central, que têm visto ascender nos últimos anos líderes populistas e conservadores.

Na primeira reação aos resultados, o ex-primeiro-ministro - que dirigiu o governo croata entre 2011 e 2016 -, disse estar "feliz", se esta "vitória apertada mas justa trouxe esperança e levantou os espíritos da sociedade e povo" croata. Milanovic apelou a todos os croatas para que "celebrem em conjunto".

O antigo chefe de governo, com a sua visão de uma Croácia "normal", mais progressista e moderna, conseguiu derrotar a presidente cessante, a conservadora Kolinda Grabar-Kitarovic, que obteve 47 por cento dos votos e cuja promessa de uma "Croácia autêntica" não foi suficiente para seduzir a direita radical.

A chefe de Estado cessante admitiu a derrota afirmando que "a Croácia decidiu" e acrescentando que é preciso "felicitar" Milanovic e desejar-lhe "tudo de melhor para o desempenho da função".

Apesar do posto ser essencialmente protocolar na Croácia, a eleição representou um importante teste para os conservadores no poder , poucos dias depois do país assumir a presidência rotativa da União Europeia e na antecâmara das eleições legislativas, que terão lugar em 2020.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Presidente croata diz que UE não pode ser os "EUA da Europa"

Apelo ao reforço da Operação Aspide de proteção dos navios do Mar Vermelho

Funcionário sueco da UE detido há dois anos no Irão