EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Governo responde a aumento de agressões a médicos e enfermeiros

Governo responde a aumento de agressões a médicos e enfermeiros
Direitos de autor TIAGO PETINGA/LUSA/Arquivo
Direitos de autor TIAGO PETINGA/LUSA/Arquivo
De  Rodrigo Barbosa com LUSA
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Em Portugal, foram registados quase mil casos de violência contra profissionais de saúde até ao fim de setembro de 2019

PUBLICIDADE

O governo português apelou a todos os profissionais de saúde e instituições que participem casos de agressões contra médicos e enfermeiros. A mensagem do secretário de Estado da Saúde, António Sales, que condenou também "todas as formas de violência", surge depois do último caso registado na madrugada de quarta-feira no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde uma enfermeira foi agredida, um dia depois da ministra da Saúde anunciar a criação de um novo Gabinete de Segurança para gerir essas situações.

Maria Temido, ministra da Saúde: "Há aqui várias áreas de intervenção, desde logo aspetos preventivos, mas também aspetos de acompanhamento de incidentes. E também aspetos de identificação de risco de instalações, aspetos de formação dos próprios profissionais de saúde para, no fundo, encontrar alternativas de diálogo para situações que se venham a revelar como episódios de violência."

Uma medida insuficiente, segundo a Orgem dos Enfermeiros e que também foi recebida com ceticismo pela classe médica.

Miguel Guimarães, bastonário da Ordem dos Médicos: "A ideia com que fico é que esse gabinete de segurança, que vai funcionar junto da senhora ministra da Saúde e que vai ter um oficial de segurança que vai poder acompanhar e estar junto dela, serve mais para proteger a ministra da Saúde, do que propriamente para proteger os profissionais que estão no terreno, por todo o país."

Segundo dados oficiais divulgados no início da semana, foram comunicados quase mil casos de violência contra profissionais de saúde até ao fim de setembro de 2019, um número equivalente à totalidade de 2018. Para a Federação Nacional dos Médicos, o aumento nos episódios de violência é indicador da existência de graves falhas nos sistemas de seguranças das instituições.

Editor de vídeo • Rodrigo Barbosa

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Mulhouse, no leste de França, sofre com falta de médicos

Hospitais fazem minuto de silêncio por enfermeira assassinada em França

Médicos internos fazem greve de 96 horas no Reino Unido