Última hora
This content is not available in your region

Reunião de emergência da família real britânica

Reunião de emergência da família real britânica
Direitos de autor
video
Tamanho do texto Aa Aa

Reunião de crise em Sandringham, esta segunda-feira, para discutir o futuro do príncipe Harry e da esposa, Meghan.

A rainha Isabel II convocou a família para a sua propriedade, a 160 quilómetros de Londres. William e Harry viajam a partir de Londres; o príncipe Carlos regressa diretamente do sultanato de Omã, onde participou numa cerimónia de condolências pela morte do Sultão Qaboos bin Said. Meghan Markle, que se encontra com o filho no Canadá, deverá participar na reunião por vídeo chamada.

O encontro reflete o desejo da rainha de limitar as consequências da decisão de Harry e Meghan de se afastarem das obrigações da realeza, trabalharem e serem financeiramente independentes e dividirem o tempo entre a Grã-Bretanha e a América do Norte.

O anúncio da decisão dos duques de Sussex deixou a família real britânica em choque.

Fontes do Palácio de Buckingham dizem que há um leque de possibilidades a serem discutidas e o objetivo é chegar a acordo sobre os próximos passos, já que uma decisão final vai demorar algum tempo a ser implementada.

Entre os detalhes que precisam ser trabalhados estão questões como: quem pagará pela segurança do casal, atualmente financiada pelos contribuintes, que atividades lucrativas podem realizar e quais seriam as consequências fiscais da mudança para o Canadá ou para os Estados Unidos.

Harry, que é o sexto na linha do trono, casou-se com a atriz americana Meghan Markle no Castelo de Windsor em 2018, e o filho do casal nasceu em maio de 2019.

A decisão do casal de se distanciar da família real provocou uma reação mista. Muitos britânicos expressaram simpatia por Meghan e Harry, mas defendem que a segurança dos dois não deve continuar a ser assegurada pelos contribuintes britânicos, se eles não cumprirem as funções públicas.

A rainha, de 93 anos, granjeia uma simpatia quase unânime dos súbditos.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.