Última hora
This content is not available in your region

Alemanha aloca 4,35 mil milhões para abandonar utilização do carvão

Alemanha aloca 4,35 mil milhões para abandonar utilização do carvão
Direitos de autor
.
Tamanho do texto Aa Aa

A Alemanha pode parar de produzir eletricidade usando carvão já em 2035, três anos antes do previsto.

O Governo de Angela Merkel prometeu, esta quinta-feira, 4 mil e 350 milhões de euros para indemnizar os operadores de centrais de carvão para abandonarem a utilização deste mineral muito poluente, antes de 2038.

A reunião entre o Executivo federal e os primeiros-ministros de quatro regiões mineiras (Saxónia-Anhalt, Brandeburgo, Saxónia e Renânia do Norte-Vestefália) prolongou-se pela noite dentro. Foi acordado um calendário de encerramento das minas e centrais, mas tem de ser, ainda, submetido aos operadores antes de ser tornado público.

"Foram negociações difíceis, duraram muito tempo. Do meu ponto de vista, foi demasiado tempo, mas o resultado é bom. Somos o primeiro país que está a sair da energia nuclear e do carvão numa base vinculativa e este é um importante sinal internacional que estamos a dar", sublinhou a ministra germânica do Ambiente, Svenja Schulze.

O Governo de Berlim anunciou, ainda, que serão feitas revisões em 2026 e 2029.

A Alemanha obtém mais de um terço de sua eletricidade através da combustão de carvão, o que gera grandes quantidades de gases de efeito estufa que contribuem para o aquecimento global. O país está num processo de abandono da energia nuclear, com o encerramento do último reator previsto para o final do ano de 2022.

O governo federal aprovou um plano orçamentado em 40 mil milhões de euros para amortecer o impacto do abandono do combustível fóssil nas regiões de mineração de carvão.

Os ambientalistas querem que o abandono da utilização do carvão seja ainda mais cedo.

O acordo alcançado esta quinta-feira prevê, também, o fim das autorizações de exploração da floresta de Hambach, no oeste da Alemanha, ameaçada pelo avanço de uma mina de lignite.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.