Última hora
This content is not available in your region

"Luanda Leaks": Portugal "não pode ser cúmplice", diz Ana Gomes

euronews_icons_loading
"Luanda Leaks": Portugal "não pode ser cúmplice", diz Ana Gomes
Direitos de autor
DR
Tamanho do texto Aa Aa

A revelação do Luanda Leaks e dos alegados esquemas fraudulentos conduzidos por Isabel dos Santos agitaram Angola e Portugal, com os ecos do escândalo em torno da mulher mais rica de África a chegarem a muitos outros países. No entanto, as autoridades dos dois países reagiram de forma contida sobre o caso divulgado este domingo pela SIC e pelo Expresso, no ambito de um projeto do Consórcio Internacional de jornalistas de investigação.

Em entrevista à euronews, a ex-eurodeputada portuguesa Ana Gomes considera que o primeiro-ministro ou o Presidente da República devem em Portugal tomar uma posição assertiva.

"Acho que é impossível que as autoridades ao mais alto nível deixem de tomar uma posição, para dar um sinal claro de vontade política. É fundamental que haja vontade política. Os responsáveis políticos em Portugal não podem mais continuar a ser cúmplices com este esquema organizado de pilhagem dos recursos de Angola", afirmou.

As ramificações da empresária angolana estendem-se a vários países. Para Ana Gomes, o impacto internacional deve levar também os estados e as instituições europeias a agirem no combate ao que diz ser "criminalidade organizada".

Já em Angola, o jornalista Rafael Marques, conhecido pelas denúncias de corrupção do regime anteriormente presidido por José Eduardo dos Santos, antecipa em declarações à RTP a abertura de processos-crime contra a empresária.

"É um tsunami para Isabel dos Santos e para a família dos Santos. Penso que o passo seguinte serao processos judiciais um pouco por todo o lado. Inúmeros advogados, gestores e políticos portugueses ajudaram Isabel dos Santos a pilhar Angola e os angolanos", frisou.

Já há instituições a anunciar o corte de relações com Isabel dos Santos e mais se podem seguir nos próximos dias, com a promessa de mais revelações do Consórcio Internacional de Jornalistas.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.