EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Frio matou mais de 100 pessoas desde setembro

Frio matou mais de 100 pessoas desde setembro
Direitos de autor Euronews
Direitos de autor Euronews
De  Ricardo FigueiraÁdám Magyar, em Budapeste
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Uma lei de 2018 criminaliza os sem-abrigo na Hungria, o que empurrou muitos para os bosques em redor de Budapeste.

PUBLICIDADE

O frio marca o dia-a-dia de muitos húngaros, em especial os sem-abrigo do país, que são cerca de 30 mil, segundo dados de há pouco mais de um ano. Desde setembro, o frio matou mais de cem pessoas.

Mihaly, a viver nas ruas de Budapeste, partilha a pouca comida que tem com os pardais, que, diz ele, também sofrem com o frio. Já passou noites em abrigos, mas prefere a rua: "Evito os albergues. Lá, as pessoas roubam, discutem em voz alta e há escaramuças. Não vou lá", diz.

Em 2018, a lei húngara criminalizou os sem-abrigo. A partir daí, muitos passaram a dormir em tendas nestes bosques em redor de Budapeste. Com as rendas na capital a preços proibitivos, ficam à mercê do frio e da neve, no Inverno, das formigas e carraças no verão.

Mas um teto não é sinónimo de calor. Dois terços das mortes por hipotermia acontecem dentro de apartamentos: "Muitas das vítimas são pessoas idosas ou doentes que vivem sozinhas. Passar algumas horas expostas a temperaturas de cinco a dez graus Celsius é o suficiente para arrefecer o corpo de forma fatal. Estas pessoas não podem cortar lenha e fazer uma fogueira nem conseguem pagar o gás para se aquecerem devidamente nos dias frios do inverno", diz  Endre Simó, fundador da ONG "Fórum Social Húngaro".

Estima-se que, desde a transição democrática na Hungria em 1990, cerca de 8500 pessoas tenham morrido por causa do frio.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

O que está a fazer o antigo líder iraniano Ahmadinejad numa visita secreta a Budapeste?

Húngaros céticos e divididos quanto ao potencial de mudança das eleições europeias

Será que os cães entendem mesmo o ser humano? Cientistas húngaros acreditam que sim