Última hora
This content is not available in your region

Democratas iniciam escolha do candidato à presidência no caucus do Iowa

euronews_icons_loading
Democratas iniciam escolha do candidato à presidência no caucus do Iowa
Direitos de autor
euronews
Tamanho do texto Aa Aa

É esta segunda-feira, no Iowa, exatamente nove meses antes da eleição presidencial, que os democratas iniciam a escolha do candidato à Casa Branca.

O Caucus do Iowa é o pontapé de saída nesta corrida, num momento em que há 11 candidatos à nomeação.

Entre os mais conhecidos estão Bernie Sanders, Joe Biden, Elizabeth Warren e Pete Buttigieg. E todos os olhos estão voltados para este pequeno estado agrícola do Midwest, que já tem vaticinado o nome do candidato como aconteceu com Barack Obama e Jimmy carter.

O candidato mais votado aqui granjeia mais apoios financeiros e mais atenção dos media, uma vantagem considerável na corrida que vai durar até à convenção do partido, onde será escolhido o candidato oficial.

A escolha dos democratas do Iowa é, por isso, esperada com alguma ansiedade. A campanha neste estado, um dos flying over state - um estado que se sobrevoa, mas onde normalmente não se vai, já começou há várias semanas.

É de quatro em quatro anos que os holofotes incidem neste território, já que tanto os democratas quanto os republicanos realizam aqui o primeiro caucus para a escolha dos candidatos.

Porquê o Iowa?

Foi por acaso que este pequeno estado de três milhões de habitantes se encontrou na linha da frente. Em 1972, o Partido democrata decidiu antecipar a data da convenção nacional para a escolha do candidato. Todos os estados tiveram de se organizar para efetuarem antecipadamente as respetivas escolhas e o Iowa foi o primeiro a organizar o voto. Quatro anos mais tarde, os republicanos alinharam-se com o que sucedera aos republicanos e começaram, eles também, a dar o pontapé de saída das primárias no Iowa.

O que é o Caucus?

O Caucus é uma reunião pública de pessoas do mesmo partido, uma assembleia, que permite escolher ente os vários candidatos. O professor de Ciência Política da Universidade estatal do Iowa, Dave Peterson, explica: "Não é, na verdade, uma eleição. Não é um sítio onde as pessoas vão depositar um voto num local qualquer, num determinado dia, como nas eleições. É um espaço onde as pessoas se reúnem a partir das 19 horas e se organizam em grupos de apoio dos vários candidatos".

Como funciona?

Nos caucus tradicionais, as pessoas presentes reúnem-se em grupos de apoio a cada um dos candidatos e deslocam-se fisicamente na sala para a zona do candidato que apoiam. A votação é feita por várias rondas, até se encontrar o candidato final. Os candidatos que obtenham menos de 15% dos apoios vão sendo eliminados. São já poucos os estados que utilizam este método. A grande maioria escolhe os candidatos por voto secreto.

Republicanos já têm candidato e milhões de dólares

Tanto para democratas quanto para republicanos, o Iowa é a prova de fogo para todos os candidatos à investidura. Do lado republicano, este ano, os dados estão lançados. Apesar de terem surgido dois outros candidatos, Donald Trump já está em campanha para o segundo mandato. Há mesmo estados em que o caucus republicano foi anulado

Pelo menos, em termos financeiros, Trump parte com larga vantagem. Só no último trimeste de 2019, a sua equipa de campanha angariou 46 milhões de dólares de ajuda financeira. Por seu lado, Donald Trump conseguiu ao longo do ano 150 milhões de dólares de ajuda para a sua reeleição, sem contar com o financiamento do Partido Republicano.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.