EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Coronavírus deixa cidades-fantasma na China

Coronavírus deixa cidades-fantasma na China
Direitos de autor EN
Direitos de autor EN
De  Ricardo Figueira
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Reportagem em Zhuhai, na província de Cantão.

PUBLICIDADE

Cidades, há apenas algumas semanas a fervilhar de vida, são agora cidades-fantasma. Zhuhai, na província de Cantão, é uma das cidades na China onde o surto de coronavírus praticamente tirou as pessoas da rua. Como em vários outros locais do país, muitos estrangeiros decidiram regressar aos países de origem, mas alguns decidiram ficar, como conta uma mulher finlandesa: "Agora é completamente diferente, não consigo descrever. É uma cidade morta. Certas zonas estão completamente mortas, cada vez mais. Ruas vazias, mercados vazios... Não há ninguém!"

As autoridades pedem às pessoas para ficar em casa. Normalmente, só saem para comprar produtos essenciais, em lojas quase sempre vazias. Com a emergência nacional decretada, pede-se aos cidadãos que façam a sua parte na prevenção da doença.

"O que fazemos para nos proteger é seguir regras de higiene básicas. lavamos as mãos e usamos máscaras na rua. Usamos desinfetantes e evitamos os locais com multidões, exceto alguns supermercados onde vamos rapidamente fazer as nossas compras", conta outra mulher.

Leia também: Testemunho de um português (TSF)

Nalguns bairros, são visíveis cartazes a alertar para a presença do coronavírus. Certos edifícios foram completamente encerrados depois de terem sido detetados casos. O governo chinês desenvolveu aplicações que permitem aos cidadãos acompanhar a evolução diária dos números e dos locais das infeções. Embora haja casos em vários outros países, a grande maioria das mortes e infeções registaram-se na China.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Maratonista chinês corre 50km em casa durante quarentena

Primeira morte por coronavírus na Europa

Aumento no número de casos de pneumonia na China não preocupa OMS