Última hora
This content is not available in your region

"Estado da União": Tempestades políticas assolam Europa

euronews_icons_loading
"Estado da União": Tempestades políticas assolam Europa
Direitos de autor  Euronews   -   Markus Schreiber
Tamanho do texto Aa Aa

Alemanha

Os ventos tempestuosos que atingiram a Europa, esta semana, tiveram correspondência nas tempestades políticas. O primeiro caso foi na Alemanha, onde Annegret Kramp-Karrenbauer renunciou ao cargo de líder da CDU (partido democrata-cristão, no poder). Deixa, assim, de ser vista como possível sucessora da chanceler Angela Merkel, porque não vai candidatar-se às eleições, no próximo ano.

Irlanda

A outra tempestade foi na Irlanda, onde o partido nacionalista e de esquerda Sinn Fein cresceu de tal forma em apoio popular que ganhou as eleições e pôs fim ao domínio de dois partidos centristas que governaram o país durante a maioria da sua História. Como consequencia mais provável, o próximo governo não sera chefiado por Leo Varadkar, atual primeiro-ministro irlandês.

Itália

Em Itália, o senado votou a favor do levantamento da imunidade parlamentar de Matteo Salvini. O político poderá, então, ser julgado pelo alegado crime de sequestro de centenas de migrantes quando era ministro da Administração Interna, no verão passado.

Na altura, Salvini não permitiu que os migrantes desembarcassem num porto italiano, tendo estes ficado no barco quase uma semana. Até hoje, Salvini não se tem mostrado arrependido: "Acredito que, simplesmente, defendi a segurança, as fronteiras e a dignidade do meu país, e não pendo que isso vá levar a qualquer condenação", disse em reação ao levantamento da imunidade parlamentar.

Bruxelas

Finalmente, há um desenvolvimento na batalha que, há uma década, opõe dois gigantes: a Comissão Europeia e a multinacional da internet Google. Em causa está apurar se a Google tem práticas desleais nos serviços de vendas online e essa batalha chegou ao tribunal.

Na próxima semana, espera-se uma grande batalha por causa do orçamento da União Europeia, com os líderes a reunirem-se em cimeira extraordinária, quarta-feira, em Bruxelas, para discutir quanto dinheiro estão dispostos a contribuir para as instituições de Bruxelas e em que projetos deve ser gasto.