Última hora
This content is not available in your region

Primárias nos EUA mostram grande divisão dos democratas

euronews_icons_loading
Primárias nos EUA mostram grande divisão dos democratas
Direitos de autor  AP
Tamanho do texto Aa Aa

As primárias nos Estados Unidos têm demonstrado a grande divisão interna do Partido Democrata, entre uma ala mais à esquerda e outra mais moderada.

Bernie Sanders é o rosto da ala mais radical. A ideia de criar um Serviço Nacional de Saúde pode ser demasiado socialista para alguns, mas muitos eleitores democratas identificam-se com ela. "Vamos ganhar em todo o país, porque o povo americano está farto de um presidente que lhes mente o tempo todo", diz Sanders.

Quem partilha da visão de Sanders é Elizabeth Warren, a sua principal rival, que também quer que os cuidados de saúde financiados pelos impostos sejam alargados.

Mas os aliados de longa data entraram em conflito durante a campanha, sobretudo por alegadamente Sanders ter dito que uma mulher não tinha condições para ganhar a presidência em 2020.

E os candidatos democratas mais moderados, como Joe Biden, também consideram que Sanders e Warren estão muito à esquerda da maioria dos eleitores americanos.

"Sou democrata por uma simples razão. Não sou socialista. Não sou plutocrata. Sou democrata e tenho orgulho disso", afirma Joe Biden, um dos candidatos democratas.

Mas Biden tem outros candidatos do centro com quem se preocupar, sobretudo Pete Buttigieg, que lhe tem retirado apoio.

A fação centrista também tem mulheres candidatas: Amy Klobuchar e Tulsi Gabbard, consideradas outsiders.

A complicar ainda mais a corrida à Casa Branca estão os multimilionários Mike Bloomberg e Tom Steyer. Compensam a falta de apoio partidário tradicional, com muitos milhões para gastar em anúncios de campanha.

Mas o que parece claro é que nenhum dos candidatos democratas consegue unir e convencer as hostes como o ex-presidente Barack Obama.