Última hora
This content is not available in your region

Norte de Itália paralisado por quarentena

euronews_icons_loading
Norte de Itália paralisado por quarentena
Direitos de autor  Claudio Furlan/LaPresse via AP
Tamanho do texto Aa Aa

O norte de Itália está parcialmente paralisado e deslocar-se tornou-se particularmente difícil, depois das autoridades terem decidido colocar sob quarentena quase um quarto da população do país.

Uma medida drástica destinada a tentar conter a epidemia de coronavírus.

A Itália é o segundo país mais afetado, depois da China, com 7985 infetados neste momento, mais 1598 do que no domingo. Mortos já são 463, mais 97 em 24 horas. 724 pessoas recuperaram. Taxa de mortalidade está nos 5%, a maior no mundo.

As áreas impactadas contam com 16 milhões de habitantes e estão localizadas nas regiões mais dinâmicas do ponto de vista económico, incluindo a capital financeira do país, Milão.

A quarentena, que restringe bastante as deslocações, estará em vigor pelo menos até ao dia 3 de abril.

Nesta parte do território, vamos aplicar medidas mais estritas. No resto do país, as medidas serão distintas e menos severas. Para a Lombardia e as outras províncias do norte em questão, haverá uma interdição de entrar e sair desses territórios, e mesmo deslocar-se dentro de cada território.
Giuseppe Conte
primeiro-ministro italiano

À volta da localidade de Casalpusterlengo, junto ao epicentro da epidemia em Itália, continuavam erguidas as barreiras policiais, apesar da área de quarentena ter sido alargada a toda a região da Lombardia.

As forças de segurança aguardavam as novas diretivas do governo, ao mesmo tempo que residentes tentavam sair das áreas afetadas.

Numa dezena de prisões do país, a decisão das autoridades de suspender as visitas para evitar a propagação do vírus degenerou em motins.

O mais grave registou-se no estabelecimento prisional de Modena, durante o qual seis detidos perderam a vida, em circunstâncias que continuam por apurar.