Última hora
This content is not available in your region

Países a velocidades diferentes no combate à covid-19

euronews_icons_loading
Países a velocidades diferentes no combate à covid-19
Direitos de autor  Bernat Armangue/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved.
Tamanho do texto Aa Aa

Nos nossos dias, apenas a união pode ter força suficiente para ultrapassar os efeitos da covid-19. Quem o diz é o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, que apela a uma ação conjunta a nível mundial, quando, no mundo, há mais de 40 mil mortes associadas à doença e acima de 850 mil casos confirmados de infeção.

"É necessário uma resposta multilateral coordenada e abrangente em larga escala, que corresponda a pelo menos 10% do PIB global. Os países desenvolvidos podem fazê-lo sozinhos e alguns estão de facto a fazê-lo. Mas devemos aumentar massivamente os recursos disponíveis para o mundo em desenvolvimento", afirmou Guterres.

Em Itália, um dos países mais afetados pela pandemia, já morreram mais de 12 mil pessoas. Mas a curva do número de casos parece estar finalmente a descer.

De acordo com o presidente do Instituto Superior de Saúde de Itália, Silvio Brusaferro, o país chegou a "um ponto estável", ainda por confirmar. No entanto, alerta que ter chegado "a um ponto estável não significa que acabou. Significa que agora temos de começar a descida. E a descida só pode começar se continuarmos a ser extremamente cuidadosos com o que fazemos diariamente".

Em Espanha, a suspensão do estado de emergência está prevista para 12 de abril, Mas com mais de oito mil mortes causadas pelo coronavírus, o país vive em confinamento.

A doença não escolhe idades e está a fazer vítimas também entre os mais jovens. Esta terça-feira, um adolescente de 13 anos, aparentemente saudável, morreu no Reino Unido devido à covid-19.

Também o continente africano se ressente da pandemia. Com mais de 20 milhões de habitantes, a cidade de Lagos, na Nigéria, está de quarentena.

Já em Gaza, onde 70% das famílias abaixo do limiar da pobreza e os equipamentos médicos escasseiam, as organizações humanitárias temem a propagação da doença.

Neste momento, a Antártida parece ser dos únicos pontos no planeta onde o coronavírus não chegou.