EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Britânicos enchem parques, França proíbe arrendamentos de férias

Britânicos enchem parques, França proíbe arrendamentos de férias
Direitos de autor Matt Dunham/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
Direitos de autor Matt Dunham/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
De  Ricardo Figueira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O Reino Unido registou um novo recorde de mortes diárias por Covid-19. Apesar disso, muitos quiseram aproveitar o sol e passear.

PUBLICIDADE

O Reino Unido teve, no sábado, o dia mais mortífero até à data em termos de vítimas da Covid-19, mas muitos britânicos parecem despreocupados com os números, já que o dia soalheiro convidou a que muitos enchessem os parques e os locais de passeio. Mais de 708 pessoas morreram ao longo do dia, elevando o total para 4313 mortos desde o início da epidemia.

Os números foram anunciados pelo número dois do governo britânico, Michael Gove.

Em França, é época de férias. Para evitar as deslocações, o governo proibiu os arrendamentos sazonais e reforçou os controlos de polícia. Por enquanto, as indicações parecem estar a ser respeitadas, com as autoestradas praticamente desertas.

O número de vítimas mortais subiu para mais de 7000, com a junção das cerca de duas mil vítimas que morreram nos lares de idosos, que não tinham ainda sido contabilizadas.

Na Alemanha, as regras do confinamento estão também a ser respeitadas. O país tem até agora pouco mais de 1400 vítimas mortais da Covid-19 para 96 mil casos, uma das taxas de mortalidade mais baixas do mundo, explicada em parte pela generalização dos testes.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Três feridos em ataque à faca no metro de Lyon

Turistas retidos na Nova Caledónia começam a ser evacuados. Independentistas apelam aos protestos

Forças de segurança realizam operações na capital da Nova Caledónia para controlar onda de violência