Última hora
This content is not available in your region

Páscoa amarga para chocolateiros belgas

euronews_icons_loading
Páscoa amarga para chocolateiros belgas
Direitos de autor  Virginia Mayo/AP
Tamanho do texto Aa Aa

A indústria belga de chocolate é das mais famosas do mundo, mas ficou paralisada naquela que costumava ser uma das mais lucrativas épocas do ano: a Páscoa. Nas prateleiras vende-se o stock existente, mas não se tem produzido mais.

"O primeiro passo que demos foi fechar fábricas para proteger a nossa equipa. Também decidimos fechar as nossas lojas. Depois tentámos encontrar soluções para vender os nossos chocolates", explicou Valérie Stefanetto Galler, diretora de marketing de uma marca, em entevista à euronews.

Várias marcas usam apenas os serviços de vendas pela Internet para, ainda assim, reduzirem a quebra de receitas, mas algumas mantêm a porta aberta porque só essa estratégia não chega.

"Pelo simples fato de já ter perdido meia tonelada de chocolate, tenho que tentar reduzir ao máximo o meu prejuízo. Caso contrário, terei que fechar para sempre. Ainda não consigo quantificar esse prejuízo, mas posso dizer que a receita até agora não chega sequer a metade do que esperava para este período", disse Valentina Marcotti, dona de uma loja.

Algumas empresas costumavam fazer um gesto de atenção com os seus trabalhadores, oferecendo chocolates na Páscoa, mas este ano nem essa prática se salvou.

"Normalmente, tinha cerca de quinze empresas que encomendavam na Páscoa para os seus 10 a 15 funcionários. Cheguei a ter pedidos para 100 ou 150 pessoas, mas este ano tive zero", contou Valentina Marcotti.

A indústria de chocolate belga tem receitas anuais de cinco mil milhões de euros, mas o comércio eletrónico é apenas uma pequena parte, pelo que esta Páscoa se vive de uma forma mais amarga.