Última hora
This content is not available in your region

Livrarias e papelarias reabrem em Roma

euronews_icons_loading
Livrarias e papelarias reabrem em Roma
Direitos de autor  Alessandra Tarantino/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
Tamanho do texto Aa Aa

Acontecerá de forma gradual e progressiva, mas para muitos é um sinal de esperança de que melhores dias virão. Algumas livrarias começaram a abrir esta segunda-feira em Roma, apesar de a segunda fase da batalha do Governo contra a Covid-19 só começar a 4 de maio.

É a primeira tentativa para experienciar uma nova forma de vida e apreender informação que pode ser útil para o planeamento das próximas semanas.

Os proprietários são obrigados a usar máscaras, luvas e desinfetante e se um estabelecimento tiver menos de 40 m2 só é permitida uma pessoa de cada vez no interior.

Mas nem todos se adaptam facilmente. Razão pela qual algumas livrarias encontraram formas alternativas de lidar com o novo mundo, como explica o proprietário Gianni Tudino: "As pessoas vêm e pedem-me o que precisam. Fazem os pagamentos com alguma distância porque a máquina que uso está ligada à rede wifi. O problema é quando as pessoas chegam à loja sem máscaras ou luvas de proteção. Já tivemos um cliente assim. Tenho de me proteger a mim e aos clientes que que vêm cá e não querem lidar com o problema."

De acordo com alguns livreiros, independentemente do grau de severidade das medidas restritivas, os livros permitiram a muitas pessoas viajar para longe sem sair de casa.

A par das livrarias, as papelarias também abriram. Nesta fase, vendem sobretudo jogos e outras distrações para que as crianças possam passar o tempo em casa. As perdas económicas são colossais, como denuncia Roberta Durante, proprietária de uma papelaria: "Atendendo ao fato de que as escolas estão fechadas temos menos trabalho. Além disso estivemos fechados mais de um mês e meio. Por isso perdemos muito dinheiro."

Giorgia Orlandi, Euronews - A partir de agora será assim a nova normalidade. Os peritos dizem que reabrir as atividades demasiado rápido pode conduzir a uma segunda vaga da epidemia. Para regressar à vida social, os italianos precisam de esperar. Bares, cinemas e teatros serão os últimos espaços a abrir, o que levará alguns meses.