Última hora
This content is not available in your region

Nova Iorque: Mortes diárias por Covid-19 caem em abril abaixo das 400

euronews_icons_loading
Nova Iorque: Mortes diárias por Covid-19 caem em abril abaixo das 400
Direitos de autor  Fernando Llano/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved.
Tamanho do texto Aa Aa

O balanço diário do número de mortes provocadas pela Covid-19 caiu, em abril, pela primeira vez, abaixo da barreira das 400 pessoas em Nova Iorque.

De acordo com o governador do estado, Andrew Cuomo, as 367 vítimas mortais reportadas este domingo representam menos de metade dos óbitos registados num só dia durante o pico da pandemia em Nova Iorque.

"Estamos de volta ao ponto onde nos encontrávamos a 31 de março, antes de começar a subida dramática no número de casos. Continuamos a vigiar a situação. A grande questão que se coloca é a velocidade com que esse número continua a descer. Em primeiro lugar precisamos de perceber se o número continua a descer", sublinhou Andrew Cuomo.

O governador do estado de Nova Iorque referiu que o número de pessoas hospitalizadas e dependentes de um ventilador também baixou.

Mas outra das grandes questões que se coloca neste momento prende-se com o fim do confinamento. De acordo com Cuomo, as restrições serão levantadas por fases, com os setores da construção e da indústria a retomar a atividade a 15 de maio. O retalho e o turismo serão, possivelmente, os últimos a regressar ao "novo normal."

A melhoria do estado do tempo trouxe muitas pessoas para a rua. O autarca de Nova Iorque disse esperar ter um roteiro sobre como restaurar a vida na cidade sob a ameaça do novo coronavírus a 1 de junho. Bill de Blasio acrescentou, no entanto, que a tão desejada normalidade pode demorar até 20 meses.

Já no estado da Califórnia o calor do fim de semana atraiu multidões para as praias e campos de golfe. Uma tendência que precipitou o encerramento de um parque perante receios de um foco de propagação do surto do novo coronavírus.

De acordo com o balanço publicado no domingo pela universidade John Hopkins, nas últimas 24 horas tinham-se registado mais 1330 mortes suplementares.