Última hora
This content is not available in your region

Covid-19: "Sou Messias, mas não faço milagres"

euronews_icons_loading
Jair Bolsonaro durante uma das suas declarações improvisadas aos jornalistas
Jair Bolsonaro durante uma das suas declarações improvisadas aos jornalistas   -   Direitos de autor  AP Photo/Andre Borges
Tamanho do texto Aa Aa

Trump pode ameaçar fechar as portas ao Brasil, mas Jair Bolsonaro permanece firme e diz que é ele quem manda dentro de portas.

Numa altura em que a covid-19 mata mais de 400 pessoas por dia no país, o presidente brasileiro afirmou que as decisões do homólogo norte-americano não lhe dizem respeito, mas também que há pouco a fazer em relação à pandemia.

Depois de classificar a covid-19 como "uma pequena gripe", Bolsonaro brincou, esta terça-feira, com o próprio nome para negar responsabilidades na evolução do surto.

"Lamento. Que que faça o quê? Eu sou Messias, mas não faço milagres", respondeu o presidente brasileiro a um jornalista.

Esta terça-feira, de acordo com dados oficiais, o Brasil ultrapassou a barreira dos 70 mil casos de infeção e das cinco mil mortes associadas à covid-19.

Um dia antes, a cidade de Manaus bateu o recorde de funerais, ao registar 140 enterros em 24 horas, quatro vezes mais que a média local.

Em várias cidades braileiras, a falta de camas nos hospitais e de equipamento de proteção individual estão a deixar o sistema de saúde nacional à beira do colapso.

Com muitos brasileiros contra a ação do governo, várias cidades do país têm sido palco de um "panelaço", uma ação de protesto, que consiste em bater tachos e panelas à janela.