Última hora
This content is not available in your region

Trump admite reforçar medidas contra covid-19

euronews_icons_loading
Trump admite reforçar medidas contra covid-19
Direitos de autor  Mark Lennihan/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
Tamanho do texto Aa Aa

Nos Estados Unidos morreram já mais pessoas com covid-19 do que soldados norte-americanos na guerra do Vietname.

Com mais de um milhão de infetados no país, o presidente Donald Trump insiste na boa performance do sistema nacional e anunciou que, "em breve", mais de cinco milhões de pessoas vão ser testadas todos os dias.

"A determinada altura, o valor será zero", garantiu o chefe de estado norte-americano. Trump afirmou ainda que o país está "a fazer muitos mais testes que em qualquer outro lugar" e que "se a China fizesse mais testes, iria ter muitos mais casos" também.

De forma a garantir o abastecimento da população, Washington admite ainda dar ordem para manter a indústria processadora de carne a funcionar durante pandemia.

A Administração Trump não deixa no entanto de estar debaixo de fogo, e também por culpa do vice-presidente. Mike Pence, que lidera o grupo de trabalho sobre a covid-19 na Casa Branca, foi ao Minnesota para visitar uma unidade hospitalar de testes ao coronavírus e, ao contrário de todas as outas pessoas nas instalações, decidiu não usar máscara.

Num futuro próximo, outras medidas, como o controlo de temperatura à chegada de voos internacionais, podem vir a ser implementadas.

Trump considera também a restrição de voos dos países mais afetados pela pandemia, nomeadamente do Brasil. Contrariando as declarações do aliado Jair Bolsonaro, o presidente norte-americano afirmou esta terça-feira que o país da América do Sul está lidar com um surto de covid-19 e pode vir a ser sujeito às mesmas medidas de prevenção já aplicadas à Europa e à China.