Última hora
This content is not available in your region

Controvérsia em torno das presidenciais na Polónia

euronews_icons_loading
Controvérsia em torno das presidenciais na Polónia
Direitos de autor  AFP
Tamanho do texto Aa Aa

Depois do adiamento das eleições na Polónia, um porta-voz do partido no poder sugere o dia 12 de julho como a próxima data possível.

O governo cancelou o escrutínio de domingo, argumentando que era impossível levar a cabo eleições num ambiente de confinamento no país e dizendo ainda que era tarde demais para organizar um voto por correspondência.

Quero continuar com o programa de mudança e modernização da nossa pátria. Essa ação será garantida pela possibilidade de fazermos isso em conjunto. O acordo que foi alcançado ontem oferece uma grande possibilidade para isso. E, se eu vencer as eleições, esse objetivo ainda será possível na Polónia.
Andrzej Duda
Presidente da Polónia

O adiamento das eleições foi planeado pelo presidente do partido Lei e Justiça, Jaroslaw Kaczynski. Mas a oposição questiona a legalidade do movimento e a legitimidade do voto por correspondência.

A crise vai atingir a Polónia em breve. É por isso que o presidente Duda provavelmente perderá as eleições. Por esta razão, Kaczynski faz de tudo para organizar eleições o mais rápido possível e, ontem, violou a constituição novamente porque, com base na constituição polaca, deve ser introduzido o estado de emergência e não podem ser organizadas eleições durante o estado de emergência.
MICHAL WAWRYKIEWICZ
Co-Fundador Iniciativa Cívica

Enquanto o país se prepara para uma nova votação, o comissário da Justiça da União Europeia, Didier Reynders, disse no Twitter que Bruxelas vai continuar a acompanhar a organização das presidenciais polacas bem "de perto".