Última hora
This content is not available in your region

Fim da ameaça nazi celebrado sob a ameaça da covid-19

euronews_icons_loading
Fim da ameaça nazi celebrado sob a ameaça da covid-19
Direitos de autor  AP
Tamanho do texto Aa Aa

Foi sob a ameaça da covid-19 que a Europa celebrou esta sexta-feira o fim da ameaça nazi. Setenta e cinco anos depois da rendição da Alemanha que colocou um ponto final à Segunda Guerra Mundial no continente, as grandes celebrações previstas foram substituídas por pequenas cerimónias por toda a Europa.

Em França, a pompa e a circunstância da tradicional homenagem no Arco do Triunfo foram reduzidas ao mínimo. Emmanuel Macron depositou uma coroa de flores no túmulo do soldado desconhecido e reservou um momento de silêncio em honra de todas as vítimas do conflito.

Na Alemanha, Angela Merkel repetiu o gesto do chefe de Estado francês mas foi o Presidente Frank-Walter Steinmeier a dar nas vistas, com um recado para a classe dirigente atual:

"Precisamos de manter a Europa unida. Precisamos de pensar, sentir e agir como europeus. Se não mantivermos a Europa unida, durante e depois desta pandemia, então não seremos dignos do oito de maio. Se a Europa falhar, o voto feito depois da guerra, "Nunca mais!" também falha."

Na República Checa, para manter o distanciamento social, as altas figuras de Estado prestaram homenagem individualmente e com dez minutos de intervalo. Agora, como há 75 anos, está a chegar um novo mundo.