Última hora
This content is not available in your region

Covid-19 ao minuto: Itália ultrapassa os 31 mil óbitos

Trabalhador de um matadouro na Alemanha onde surgiu um surto epidémico
Trabalhador de um matadouro na Alemanha onde surgiu um surto epidémico   -   Direitos de autor  AP Photo/Michael Probst
Tamanho do texto Aa Aa

A pandemia já infetou mais de 4,3 milhões de pessoas em pelo menos 188 países, à data de hoje.

De acordo com a Universidade Johns Hopkins, este novo coronavírus estará ligado a mais de 295 mil mortos. Pelo menos 1,5 milhões de pessoas já recuperaram da doença provocada pelo SARS-CoV-2.

Resumo do dia:

  • Itália ultrapassa os 31 mil óbitos.

  • ONU diz que a economia mundial vai sofrer a maior queda desde a Grande Depressão.

  • França regista mais de 27 mil mortes.

  • Transportes lotados em Londres provocam ameaça de greve e críticas ao governo.
  • Suécia responde ao Covid-19 contratando mais 10.000 profissionais de saúde.
  • Reino Unido ultrapassa 33 mil óbitos.

  • Brasil tem de duplicar investimento em saúde pública - diretor do Hospital Sírio Libanês.

  • Direção-Geral de Saúde reconhece que regras para creches não são garantia de "risco zero mas minimizam".

Universidade Johns Hopkins
Atualizado às 22h32 de 13 de maio de 2020Universidade Johns HopkinsMarques, Francisco

20:35 (CET): Itália ultrapassa os 31 mil óbitos

Itália registou 195 novos óbitos associados à Covid-19 nas últimas 24 horas, o número mais alto nos últimos cinco dias, e soma 31.106 vítimas mortais desde o início da crise, comunicou hoje a Proteção Civil italiana.

No balanço diário de terça-feira, o país tinha registado 172 óbitos.

Apesar do aumento ligeiro no número diário de mortes, o país mantém a tendência de uma desaceleração dos contágios pelo novo coronavírus.

Com o registo de 888 novos casos nas últimas 24 horas – este valor tem estado sempre abaixo dos 1.000 desde domingo passado - o número total de infetados no país desde o início da crise sanitária (em 21 de fevereiro) é de 222.104.

Em relação aos casos positivos e ativos neste momento no país, a Proteção Civil italiana contabiliza um total de 78.457, menos 2.809 casos face ao dia anterior.

19:54 (CET) ONU diz que a economia mundial vai sofrer a maior queda desde a Grande Depressão.

De acordo com as previsões publicadas hoje pelas Nações Unidas, a economia mundial vai sofrer uma contração de 3,2% este ano, a maior queda desde a Grande Depressão, como consequência da pandemia de covid-19.

A organização prevê uma queda de 5% no caso das economias desenvolvidas, com descidas de 5,8% na zona euro, de 5,4% no Reino Unido, de 4,8% nos Estados Unidos e de 4,2% no Japão.

Segundo a ONU, a China, país onde teve origem a pandemia, conseguirá terminar 2020 com um crescimento de 1,7%, muito longe das previsões feitas antes da crise causada pela covid-19.

O mundo vai perder quase 8,5 biliões de dólares de produção económica durante os próximos dois anos, um retrocesso que eliminará praticamente os avanços dos quatro anos anteriores, segundo a ONU.

20:06 (CET) França regista mais de 27 mil óbitos

Com mais 83 mortes registadas nas últimas 24 horas, o número total de óbitos em França devido ao novo coronavírus aumentou hoje para 27.074, comunicou o Ministério da Saúde francês.

Do total de vítimas mortais associadas à pandemia de Covid-19, 17.101 foram registadas em unidades hospitalares e 9.973 ocorreram em lares de idosos e centros para pessoas que, por motivos de saúde ou incapacidade, necessitam de prestação de cuidados constantes.

Segundo a tutela, há atualmente 21.071 pessoas hospitalizadas em França devido ao vírus, sendo que 2.428 desses pacientes estão internados nos cuidados intensivos.

Nas últimas 24 horas foram confirmados 507 novos casos no país, elevando, assim, o número total desde o início da pandemia para 140.734. França regista ainda 58.673 pessoas curadas da covid-19.

França é atualmente o quinto país no mundo com mais mortos devido ao novo coronavírus depois dos Estados Unidos (82.389 mortos), Reino Unido (33.186 mortos), Itália (30.911 mortos) e Espanha (27.104 mortos).

19:30 (CET) Dois mil pescadores do Norte de Portugal vão ser testados à Covid-19

Cerca de dois mil pescadores, que operam na zona norte do país, poderão, em breve, ser testados à covid-19, prevê a Associação Pró Maior Segurança dos Homens do Mar (APMSHM).

"Na região norte, os testes devem começar a ser feitos na sede da associação e abranger 2000 pescadores, da zona da Póvoa de Varzim e Vila do Conde. Temos ainda de acertar o processo para os pescadores que trabalham em Viana do Castelo e Esposende, e também para os dos portos de Matosinhos, Figueira da Foz e Aveiro, embora a maior parte seja natural da zona de Caxinas, Vila do Conde", explicou. José Festas, presidente da APMSHM.

19:10 (CET) Brasil tem de duplicar investimento em saúde pública - diretor do Hospital Sírio Libanês

O diretor de um dos mais importantes hospitais do Brasil, o Hospital Sírio Libanês, afirmou hoje que o país tem de duplicar o investimento em saúde pública.

O diretor do hospital, Paulo Chapchap, criticou o Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, por minimizar a covid-19.

"Numa sociedade com desigualdades como o Brasil, o nosso modelo precisa estar mais próximo do modelo europeu do que do modelo americano, em que boa parte da população não possui assistência médica", afirmou o médico e diretor do Hospital Sírio Libanês, Paulo Chapchap.

O Sírio Libanês está na linha de frente da luta contra a covid-19 no Brasil. O hospital também coordena planos para avaliar a evolução da doença e fornece estratégias a mais de 90 hospitais de referência.

"Existem países europeus que investem até 10% do seu PIB [em saúde], nos quais o governo participa em 80% dessa quantia. Nosso Governo deve ter essa consciência e colocar 8% do PIB [actualmente na ordem dos 4%], somando as três esferas [estados, cidades e governo central]", declarou Chapchap.

18:40 (CET) EUA doam 5 mil máscaras de capulana a Moçambique

Os Estados Unidos da América doaram hoje cinco mil máscaras ao Ministério da Saúde de Moçambique. A oferta faz parte de um pacote de apoio que prevê que sejam disponibilizados aproximadamente 8 milhões de euros ao governo de Maputo para fazer face à covid-19.

O apoio que será concedido pelos EUA "serve para apoiar a comunicação de riscos, água e saneamento, identificação de casos, bem como equipamento para a prevenção e controlo de infeções em Moçambique", disse a diretora da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID) no país, Jennifer Adams.

18:18 (CET) Transportes lotados em Londres provocam ameaça de greve e críticas ao governo.

Em Londres, as imagens e relatos de transporte públicos cheios de gente, muitos sem máscara ou qualquer tipo de proteção, levaram o sindicato RMT (Sindicato Nacional dos Trabalhadores Ferroviários, Marítimos e de Transportes) a ameaçar com greve, devido ao risco para os funcionários, e a fazer críticas ao governo de Boris Johnson.

O secretário-geral do sindicato RMT (Sindicato Nacional dos Trabalhadores Ferroviários, Marítimos e de Transportes), Mick Cash, acusou o governo de precipitar o regresso ao emprego de trabalhadores esta semana, em que os transportes estão com serviço reduzido a 15%, em vez de esperar pela próxima semana, quando a capacidade deverá aumentar para 70%.

Cash não afastou a possibilidade de greve se os trabalhadores dos transportes sentirem que não existe segurança no local de trabalho, exigindo equipamento de proteção.

17:23 (CET) Moçambique soma mais três casos e total passa para 107.

Nas últimas 24 horas, o número de casos registados oficialmente de infeção pelo novo coronavírus em Moçambique subiu de 104 para 107, comunicou hoje o Ministério da Saúde.

Os três novos doentes têm 29, 34 e 40 anos e um deles faz parte de um grupo de moçambicanos recentemente repatriado da África do Sul.

Desde o anúncio do primeiro caso em Moçambique, em 22 de março, o país testou um total de 4.740 suspeitos, dos quais 359 nas últimas 24 horas.

17:00 (CET) Angela Merkel diz que poderes cedidos à UE levantam "questões" no Tribunal Constitucional.

A chanceler alemã, Angela Merkel, declarou hoje que a decisão do Tribunal Constitucional alemão sobre o programa de compra de dívida pública do Banco Central Europeu (BCE) levanta “questões” sobre os poderes cedidos pelos Estados da União Europeia (UE).

Angela Merkel considera que “há questões que podem ser levantadas por essa decisão”. A chanceler pediu a manutenção de uma “política de orientação clara” que, defendeu, deve ser a manutenção de uma “moeda forte e comum, o euro”.

Na decisão que tomou na semana passada, o Tribunal Constitucional alemão considerou que o programa de compra de dívida pública do BCE é legal, mas solicitou à entidade que esclareça a proporcionalidade das suas medidas de política monetária.

Também ordenou que o Bundesbank (banco central alemão) parasse de comprar dívida em três meses se o BCE não justificasse a proporcionalidade das compras.

16:40 (CET) Portugal reabre museus e monumentos a partir de segunda-feira.

Os museus, monumentos e palácios vão reabrir com prioridade na segurança e regras consoante os espaços, com “uma geometria flexível e variável”, revelou hoje o Governo.

Numa audição na comissão parlamentar de Cultura e Comunicação, a secretária de Estado Adjunta e do Património Cultural, Ângela Ferreira, afirmou que os trabalhadores regressam aos museus, monumentos e palácios em “equipas rotativas e alternadas” e “há trabalhadores que não vão voltar ao trabalho, por serem de risco”.

Na semana passada, fonte da Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) tinha revelado à Lusa que estava a ser preparado um manual orientador para a reabertura daqueles equipamentos culturais na segunda-feira, 18 de maio, Dia Internacional dos Museus, ao fim de cerca de dois meses encerrados, por causa da covid-19.

16:35 (CET) Bolsa de Nova Iorque segue em queda após declarações de Powell.

Wall Street iniciou a sessão desta quarta-feira em baixa, depois do presidente da Reserva Federal, Jerome Powell, alertar para a possibilidade de uma prolongada recessão nos Estados Unidos devido à pandemia de Covid-19.

Às 15:00 (hora de Lisboa), o índice Dow Jones descia 0,89% para 23.555,29 pontos e o Nasdaq recuava 0,04% para 8.998,65 pontos.

O índice alargado S&P 500 baixava 0,95% e estava em 2.842,59 pontos.

Os estragos causados pela pandemia de covid-19 na economia norte-americana podem durar algum tempo, alertou hoje o presidente do banco central norte-americano, defendendo que são necessários programas de ajuda para evitar uma recessão profunda.

16:10 (CET) Cabo Verde reforça hospitais com a contratação de 400 profissionais de saúde.

O ministro da Saúde de Cabo Verde, Arlindo do Rosário, afirmou hoje no parlamento que foram contratados, desde março, cerca de 400 profissionais para o Serviço Nacional de Saúde para reforçar o combate à covid-19.

15:50 (CET) Número de infetados na Guiné-Bissau aumenta para 836.

De acordo com os dados divulgados pelo Centro de Operações de Emergência de Saúde (COES) guineense, o número de casos da covid-19 na Guiné-Bissau aumentou hoje para 836, mantendo-se os três óbitos.

Das últimas análises realizadas pelo Laboratório Nacional de Saúde Pública referente a novos casos suspeitos, 16 deram positivo, elevando o número total acumulado no país para 836, revelou o coordenador do COES, Dionísio Cumba.

O coordenador do COES precisou que há 21 pessoas internadas, nomeadamente 18 no Hospital Nacional Simão Mendes e três no Hospital de Cumura. Das 21 pessoas internadas, duas estão em estado grave.

O Presidente da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, prolongou na segunda-feira o estado de emergência no país até 26 de maio, e decretou o recolher obrigatório para o período entre as 20:00 e as 06:00 e o uso obrigatório de máscaras.

15:23 (CET) Reino Unido ultrapassa 33 mil óbitos.

De acordo com os dados publicados hoje pelo Ministério da Saúde, o Reino Unido regista mais 494 mortes desde terça-feira. O número de óbitos registados no Reino Unido durante a pandemia de covid-19 aumentou hoje para 33.186.

O total de casos de contágio identificados aumentou 3.242 para 229.705, de acordo com a mesma fonte, que contabiliza os infetados identificados até às 09:00 de hoje e os óbitos até às 17:00 da véspera.

15:08 (CET) Suécia responde ao Covid-19 contratando mais 10.000 profissionais de saúde.

Governo sueco anunciou que vai contratar mais de 10.000 auxiliares de enfermagem e profissionais de saúde para suprir deficiências nos cuidados a idosos expostos à pandemia. Esta quarta-feira, a autoridade de saúde pública da Suécia registrou mais 147 mortes pelo Covid-19.

14:52 (CET) Lesoto anuncia primeira infeção.

O único país africano que até agora ainda não tinha registado nenhum caso de covid-19, anunciou hoje a primeira infeção. O primeiro caso no Lesoto é um cidadão vindo do estrangeiro.

"O que o Centro Nacional de Comando de Emergência do Lesoto [NECC] pode confirmar é que o caso é importado do Médio Oriente, sem sinais ou sintomas", explicaram as autoridades sanitárias do pequeno reino, localizado no meio da África do Sul, através da rede social Twitter.

14:40 (CET) Plenários da AR vão funcionar com parte dos deputados nos gabinetes.

Em Portugal, os plenários da Assembleia da República vão passar a funcionar em breve com a totalidade dos 230 deputados. Parte dos deputados estarão na Sala das Sessões e os restantes nos seus gabinetes.

14:20 (CET) Direção-Geral de Saúde reconhece que regras para creches não são garantia de "risco zero mas minimizam".

A diretora-geral da Saúde, Graça Feitas, admitiu hoje que as regras descritas na orientação da DGS sobre a reabertura das creches não garantem “risco zero” de contágio, assegurando que “minimizam” a probabilidade de infeção por covid-19.

- Portugal soma mais 12 mortes devido à pandemia.

Portugal registou, hoje, mais 12 mortes do que no dia anterior (são agora 1175) e mais 219 casos novos (num total de 28.132). A taxa de crescimento de casos é de 0,8%, a mesma de terça-feira.

Os números, divulgados pela Direcção-Geral da Saúde (DGS), apresentam os casos registados até à meia-noite do dia anterior.

- Distanciamento nas praias e limite de clientes em restaurantes, são algumas das recomendações da Comissão Europeia para a retoma do turismo europeu.

A Comissão recomendou hoje, uma distância mínima de 1,5 metros e normas de higiene apertadas em praias e piscinas, e o estabelecimento de um número máximo de clientes em restaurantes.

Numa altura em que a pandemia de covid-19 está a estabilizar na Europa e os países pensam em levantar algumas medidas restritivas, o executivo comunitário divulga hoje “um quadro comum que estabelece critérios para o restabelecimento seguro e gradual das atividades turísticas e o desenvolvimento de protocolos de saúde para hotéis e outras formas de alojamento, a fim de proteger a saúde tanto dos hóspedes como dos funcionários”.

- Regresso da Bundesliga pode trazer "mil milhões" de telespetadores.

O presidente do Bayern Munique, Karl-Heinz Rummenigge, espera que o regresso da Liga alemã de futebol, no sábado, seja visto no próximo fim de semana por “mil milhões de telespetadores” em todo o mundo.

“A Bundesliga é a primeira grande liga a reiniciar a época em todo o mundo. E se a Bundesliga é a única a ser transmitida em todo o mundo, então teremos mil milhões de telespetadores”, disse Karl-Heinz Rummenigge, em declarações à revista Sport Bild.

O campeonato alemão regressa no sábado, com a realização da 26.ª jornada, após mais de dois meses de interrupção, no fim de semana de 07 e 08 de março, devido à pandemia, que parou as competições em quase todo o mundo.

- PSD cancela as festas do Pontal e Chão da Lagoa.

O presidente do PSD, Rui Rio, anunciou que o partido decidiu não realizar as festa no Algarve (Pontal) e na Madeira (Chão da Lagoa) devido à covid-19.

"Seguindo as regras do bom senso, e de respeito pela lei e pela saúde de todos nós, o PSD decidiu não realizar nenhuma das suas festas de Verão, designadamente a do Chão da Lagoa na Madeira e a do Pontal no Algarve. Só com disciplina e unidade conseguiremos vencer a Covid-19," escreveu o líder do Partido Social Democrata no Twitter.

- Brasil regista quebra de 2,5% nas vendas a retalho.

As vendas do retalho no Brasil recuaram 2,5% em março, face a fevereiro, devido ao impacto das medidas de isolamento social para travar a pandemia provocada pelo novo coronavírus, informou hoje o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

É o pior resultado para março desde 2003, quando o setor recuou 2,7%. A queda, puxada por seis das oito atividades pesquisadas pelo IBGE, só não foi mais intensa por causa da subida nas vendas em áreas consideradas essenciais durante o período de isolamento social.