This content is not available in your region

Confrontos no México por causa da morte de homem nas mãos da polícia

Access to the comments Comentários
De  Pedro Sacadura  com AFP, AP
euronews_icons_loading
Confrontos no México por causa da morte de homem nas mãos da polícia
Direitos de autor  Capture d'écran

O Palácio do Governo do Estado de Jalisco, em Guadalajara, no México, foi o alvo central da fúria popular numa manifestação, que degenerou em confrontos, em nome da justiça no caso de Giovanni López.

Esta quinta-feira, dezenas de pessoas saíram às ruas da cidade para mostrar a revolta pela morte do homem de 30 anos. A tensão traduziu-se em várias detenções e foi subindo de tom, com homens encapuzados a incendiarem viaturas da polícia e a atearem fogo a um agente.

López foi detido pela polícia no início de maio em Ixtlahuacán de Los Membrillos, cidade nos arredores de Guadalajara, devido a "má conduta administrativa", de acordo com o Ministério Público. A alegação inicial, que apontava para a falta de uso de máscara para impedir a propagação do surto do novo coronavírus, foi descartada.

Da esquadra da polícia terá seguido para o hospital, onde foi dado como morto. Apresentava uma bala no pé e várias contusões. A autópsia revelou que morreu vítima de um traumatismo na cabeça.

Através do Twitter, o Governador do Estado de Jalisco, Enrique Alfaro, disse que os responsáveis serão punidos e acusou seguidores do presidente mexicano de estarem por detrás da vaga de violência. Alfaro, tal como o procurador do Estado, mudaram as declarações depois de terem negado publicamente a detenção.

Apesar da morte no início do mês passado, a família de López só agora denunciou o caso. De acordo com o irmão do homem, o chefe da polícia municipal ter-lhe-á oferecido cerca de 8 mil euros para evitar a divulgação de um vídeo que mostra o momento da detenção.

No México, já se registaram mais de 12.500 mortes por Covid-19. Para esta sexta-feira está prevista uma nova manifestação.