Última hora
This content is not available in your region

"Floyd estaria orgulhoso", diz Trump

euronews_icons_loading
"Floyd estaria orgulhoso", diz Trump
Direitos de autor  Wong Maye-E/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved.
Tamanho do texto Aa Aa

Os norte-americanos voltaram a sair à rua contra o racismo e contra a violência policial. Foram vários a desfilar na última noite nas ruas de Nova Iorque, apesar do recolher obrigatório. As manifestações têm-se multiplicado por todos os Estados Unidos e outros pontos do mundo, depois da morte de George Floyd, um negro norte-americano asfixiado por um polícia.

O presidente Donald Trump, depois de muito criticado pela resposta aos protestos, disse que Floyd deveria estar orgulhoso dos últimos dados económicos apresentados e pediu um tratamento justo para todos os cidadãos.

Disse Trump: "Independentemente da raça, cor, género ou crença, todos temos de ser tratados com justiça por parte das forças da ordem. É assim que tem de ser. Todos vimos o que aconteceu na semana passada e não podemos deixar algo assim acontecer. George Floyd deve estar a olhar para baixo e a dizer que está a acontecer algo muito bom para o nosso país, É um grande dia para ele e para todos".

A referência a Floyd por parte de Trump não caiu bem nos setores mais progressistas. Joe Biden, rival democrata do presidente nas eleições de novembro, criticou o alegado oportunismo do ocupante da Casa Branca.

Disse Biden: "As últimas palavras de George Floyd foram 'não posso respirar'. Essas palavras ecoaram por todo o país e por todo o mundo. É intolerável que o presidente queira por outras palavras na boca de George Floyd".

Estes últimos protestos foram pacíficos, em contraste com algumas ações que aconteceram na semana passada, marcadas pela violência e pelas pilhagens.