EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Tóquio prepara-se para os Olímpicos e a inclusão

Tóquio prepara-se para os Olímpicos e a inclusão
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Charlotte Kan & Euronews
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Com os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos adiados, Tóquio continua a preparar-se para receber participantes e público. Sem barreiras à mobilidade. #Spotlight

PUBLICIDADE

Os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos foram adiados para o próximo ano, devido à pandemia do covid-19. Mas os preparativos estão ainda em curso na cidade de Tóquio, a primeira a receber duas vezes os Jogos Paraolímpicos.

Chiaki Takada é paraatleta deficiente visual. A caminho do treino, de casa até ao estádio, beneficia de um ambiente urbano que foi concebido para se tornar mais acessível a todos.

Chiaki já participou nos Jogos Paraolímpicos do Rio. Para os de Tóquio, foi selecionada para o salto em comprimento. O atletismo é um dos 22 desportos adaptados presentes na competição.

"Representar o meu país, para mim, é a realização de um sonho. A deficiência é apenas uma característica individual e nós não somos diferentes das pessoas comuns. Gostaria que estes Jogos fossem uma oportunidade para quebrar as barreiras entre as pessoas com e sem deficiência", afirma.

Representar o meu país, para mim, é a realização de um sonho. A deficiência é apenas uma característica individual e nós não somos diferentes das pessoas comuns. Gostaria que estes Jogos fossem uma oportunidade para quebrar as barreiras entre as pessoas com e sem deficiência.
Chiaki Takada
Atleta paraolímpica

Vencer barreiras

Para o Japão, a diversidade e a inclusão são essenciais para o sucesso dos Jogos. Tóquio tem como objetivo o acesso total sem barreiras nas principais estações ferroviárias, terminais de autocarros e aeroportos para que possam servir melhor a sociedade.

Yuriko Oda é diretora executiva da Wheelog, a empresa responsável pela criação de um aplicação móvel para ajudar as pessoas a ultrapassar as barreiras arquitetónicas e de informação que impedem a livre mobilidade. Para si, "as informações no Japão para as pessoas com mobilidade reduzida estão mais adequadas. Começa a haver informações úteis para pessoas em cadeiras de rodas, como os locais das casas de banho, restaurantes e elevadores”. O ambiente, assegura, é de mudança. ”Tenho a sensação de que todo o Japão quer aproveitar os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos para se transformar".

A sensação é confirmada por Katsura Enyo, vice-diretora geral do Departamento de Preparação para Tóquio 2020. "O sucesso dos Paraolímpicos é essencial para Tóquio. Não estamos a fazer isto apenas para os deficientes. É benéfico para as mães com carrinhos de bebé, para os idosos. Tóquio é uma sociedade envelhecida, por isso estamos a fazer isto pelo legado dos jogos".

Para os organizadores dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de Tóquio, o legado e o desenvolvimento sustentável são fundamentais. O evento tem uma herança a deixar: às gerações atuais, mas também às gerações futuras em todo o Japão.

Sessenta por cento das infraestruturas já existem e haverá nove novas instalações. Vão ficar sobretudo nesta área. Depois dos jogos a Baía Olímpica vai ser provavelmente um campo desportivo para os jovens. Através dos Jogos de Tóquio, as noções de design universal e acessibilidade vão ficar enraizadas na nossa sociedade. O conceito mais importante para nós é o de uma sociedade inclusiva
Toshiro Muto
Diretor do Comité Organizador dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de Tóquio

O Japão está também a tentar aumentar a sensibilização para a deficiência. Isto inclui programas de proximidade com as crianças.

"As crianças aprendem mais depressa, porque não discriminam, nem têm preconceitos. Percebemos que ensinar as crianças e levá-las a contar aos pais é muito mais rápido do que pensávamos", conta o presidente da Fundação Nippon do Centro de Apoio Paraolímpico, Yasushi Yamawaki.

O Japão está a olhar para os Paraolímpicos além da vertente desportiva, à medida que o país procura ter um impacto positivo na atitude da sociedade para com as pessoas com deficiência.

Sob o lema "Unidos pela Emoção", os Jogos de Tóquio querem também mostrar ao mundo que os únicos limites na vida são aqueles que estabelecemos para nós próprios.

Partilhe esta notícia

Notícias relacionadas

Tóquio sob estado de emergência a 6 meses dos Jogos Olímpicos

O Japão usa a tecnologia para atenuar a solidão causada pela pandemia