Última hora
This content is not available in your region

Covid-19: Retalho brasileiro recua 16,8% em abril

Covid-19: Retalho brasileiro recua 16,8% em abril
Direitos de autor  Joedson Alves/EPA
Tamanho do texto Aa Aa

Em abril, o comércio a retalho brasileiro registou um recuo de 16,8% face ao mês anterior. O impacto da pandemia de Covid-19 obrigou ao encerramento de lojas e provocou a paralisação de serviços não essenciais em cidades e estados do país.

Este foi o pior resultado desde o início da série histórica do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em janeiro de 2000.

“É a primeira vez que a pesquisa traz os resultados de um mês inteiro em que o país está no quadro de isolamento social, já que ele começou a ser adotado na segunda quinzena de março”, justificou o IBGE.

A diminuição das vendas no retalho atingiu todas as oito atividades pesquisadas. A maior queda foi no setor de tecidos, vestuário e calçados (-60,6%), seguido de livros, jornais, revistas e papelaria (-43,4%) e artigos de uso pessoal e doméstico (-29,5%).

Também houve queda nos segmentos de hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (-11,8%) e artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (-17%), setores com atividades consideradas essenciais na pandemia e que tiveram avanço no mês passado.

“Em março, podemos imaginar o cenário em que essas atividades essenciais absorveram um pouco das vendas das outras atividades que tinham caído muito, mas nesse mês isso não foi possível”, explicou Cristiano Santos, gerente da pesquisa do IBGE.

“Tivemos também uma redução da massa salarial que, entre o trimestre encerrado em março para o encerrado em abril, caiu 3,3%, algo em torno de 7 bilhões de reais. Isso também refletiu nessas atividades consideradas essenciais”, acrescentou.

Já o volume de vendas do retalho ampliado, que no Brasil integra também as atividades de comércio de veículos, motos, partes e peças (-36,2%) e material de construção (-1,9%), caiu 17,5% em abril.

“No caso do [retalho] ampliado, ele já vinha numa queda intensa desde o mês passado (-13,7%), especialmente devido ao recuo em veículos, motos partes e peças”, avaliou Cristiano Santos.

As vendas do setor chegaram ao seu ponto mais baixo no Brasil e registaram os maiores distanciamentos dos recordes históricos, tanto para retalho (22,7% abaixo do nível recorde, em outubro de 2014) quanto para o retalho ampliado (34,1% abaixo do recorde, em agosto de 2012), segundo as informações divulgadas pelo IBGE.

De acordo com Cristiano Santos, o resultado do volume de vendas no retalho é uma intensificação do resultado de março, quando o impacto não pôde ser sentido completamente.

Do total de empresas pesquisadas pelo IBGE, 28,1% relataram impacto em suas receitas em abril por conta das medidas de isolamento social, contra 14,5% no mês de março.

Desde que o primeiro caso do novo coronavírus foi registado no Brasil no final de fevereiro, o país soma 43.959 óbitos e 888.271 casos confirmados da doença.