Última hora
This content is not available in your region

Covid-19: Os números e as notícias de 18 de junho, quinta-feira

Covid-19: Os números e as notícias de 18 de junho, quinta-feira
Direitos de autor  Michael Probst/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
Tamanho do texto Aa Aa

21h30 (CET) Fecho: Espanha vai atualizar número de mortes para cerca de 28 mil. Esta quinta-feira, a Direção Geral de Saúde anunciou mais 417 novos casos em Portugal. Alemanha regista várias centenas de casos nas últimas 24 horas. O Reino Unido ultrapassou as 300 mil infeções. Número de casos novos também aumentou em Espanha e Itália.

Atualizações:

21h26 (CET) Representantes da CPLP debateram pandemia e resposta a emergência

Os representantes dos Estados-membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) debateram hoje os efeitos da pandemia e a possibilidade de a organização criar um mecanismo de resposta a situações de emergência, disse o embaixador de Cabo Verde, Eurico Monteiro.

"Também procuramos ver se, aproveitando toda a experiência acumulada, designadamente o que aconteceu em Moçambique com o ciclone Idai, com um efeito desastroso do ponto de vista económico e social, e esta pandemia, poderíamos pensar em esquemas e mecanismos de cooperação mais específicos para situações de emergência dos estados", adiantou Eurico Monteiro à Lusa.

Uma cooperação que, não passe só pela partilha de informações técnicas, "mas também por alguma concertação política, eventualmente até pela constituição de um instrumento de apoio material ou financeiro e logístico, em situações de emergência, sejam por desastres naturais ou pandemias, ou outras que possam surgir", reforçou o diplomata.

21h12 (CET) Mais 28 mortes e 467 casos em França

A França registou mais 28 mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas, elevando para 29 603 o número de óbitos no país desde o início da pandemia.

O ministério da Saúde francês anunciou ainda 467 novos casos, com o número acumulado de infeções a fixar-se em 158 641.

21h02 (CET) Chile soma 4 475 novos casos

O Chile registou nas últimas 24 horas 4 475 novos casos de Covid-19, elevando o total de contágios desde o início da pandemia para 225 103, aproximando-se dos 237 800 registados em Itália, um dos países mais afetados pelo novo coronavírus.

Segundo o Ministério da Saúde chileno, nas últimas 24 horas morreram mais 226 pacientes infetados, com o total de óbitos a subir para 3 841.

O Chile, que vive há mais de três meses em estado de emergência, é já o nono país do mundo com o maior número de casos de Covid-19.

As autoridades chilenas anunciaram hoje também terem começado a monitorizar os movimentos das pessoas infetadas através do GPS dos telemóveis.

20h57 (CET) Guiné-Bissau confirma estudo com vacinas da poliomielite

O Ministério da Saúde da Guiné-Bissau confirmou hoje, em Conselho de Ministros, que está a decorrer um estudo do Projeto de Saúde de Bandim sobre o uso de vacinas contra a poliomielite para combater o novo coronavírus.

O ministro da Saúde esclareceu que o que está em curso é um estudo promovido pelo Projeto de Saúde de Bandim, visando apurar a validade ou a pertinência científicas do uso de vacinas até aqui aplicadas no combate à poliomielite para o combate da nova pandemia” de Covid-19, refere um comunicado hoje divulgado.

Em consequência, ficou decidido que cabe ao Conselho de Ministros analisar e pronunciar-se sobre qualquer "decisão relacionada com a aplicação de vacinas em toda a extensão do território da Guiné-Bissau".

Um jornal brasileiro apontou a Guiné-Bissau como sendo palco de um estudo sobre o uso da vacina contra poliomielite para o tratamento da Covid-19, situação que está a merecer críticas dos guineenses.

Miguel de Barros, ativista ambiental e social, denunciou o caso, através de uma série de publicações na sua página da rede social Twitter, em que questiona as autoridades sobre o estudo e os procedimentos observados.

O jornal brasileiro revela que o estudo, a ser orientado por uma equipa de investigadores americanos e dinamarqueses, vai começar brevemente e vai decorrer durante seis meses.

20h35 (CET) Madeira tem mais um caso depois de 42 dias sem novos infetados

A Madeira registou, esta quinta-feira, um novo caso positivo depois de Covid-19, depois de ter estado 42 dias sem novos infetados. Trata-se de uma pessoa que chegou à Madeira na quarta-feira, num voo proveniente de Lisboa, segundo informou a autoridade regional de saúde.

A autoridade regional acrescenta que se trata de “um caso importado da região de Lisboa e Vale do Tejo”, sendo um “doente que permanecia em Lisboa desde fevereiro, tendo residência oficial no concelho de Santa Cruz”.

Com este novo caso sobe para 91 o acumulado dos casos positivos registados na região.

20h20 (CET) Espanha vai atualizar número de mortes para cerca de 28 mil

O Governo espanhol vai rever em alta, na sexta-feira, o número de mortes no país devido à Covid-19, para "cerca de 28 mil".

"Infelizmente, temos uma grande percentagem [de mortes], cerca de 28 mil. Amanhã [sexta-feira] vamos dar dados mais fiáveis e mais seguros, mas será à volta de 28 mil mortes", avançou hoje o diretor dos serviços de Alerta e Emergências Sanitárias do Ministério da Saúde espanhol, Fernando Simón, durante a videoconferência de imprensa diária sobre a evolução da pandemia.

O número oficial de mortos mantém-se inalterado em 27 136 desde 7 de junho, depois de os métodos de contagem de casos e mortes terem sido alterados no final de maio.

19h52 (CET) Ex-ministros acusam Bolsonaro de "tragédia epidemiológica"

Nove ex-ministros do Meio Ambiente do Brasil divulgaram um manifesto condenando o que consideram ser ataques do Governo do Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, a biomas, saúde da população e à democracia do país.

"A omissão, indiferença e ação ‘anticientífica’ do Governo transformaram o desafio da Covid-19 na mais grave tragédia epidemiológica da história recente do Brasil, causando danos irreparáveis à vida e à saúde", realça a carta.

Leia o artigo completo aqui

19h25 (CET) Não vão ser precisos testes para viajar para Cabo Verde

Cabo Verde vai retomar as ligações aéreas a 30 de junho, mas não vai obrigar os passageiros a apresentarem testes à Covid-19.

O Governo sustenta a decisão com o posicionamento de diferentes organismos internacionais ligados à aviação civil, que “não recomendam a realização de testes à Covid-19 como medida prévia à realização de viagem”, face à “imprevisibilidade” e ao “rácio’ de ‘falsos positivos/negativos dos mesmos”.

Desde 19 de março que Cabo Verde está fechado às ligações aéreas internacionais, enquanto os voos domésticos foram suspensos 10 dias depois, medidas definidas pelo Governo para travar a progressão do novo coronavírus.

Leia o artigo completo aqui

19h00 (CET) China entrega mais material médico à Guiné-Bissau

A China entregou hoje ao Alto-Comissariado de Luta Contra a Covid-19 da Guiné-Bissau um segundo lote de material para fazer face à pandemia provocada pelo novo coronavírus. No país africano o novo coronavírus já infetou quase 1 500 pessoas e provocou 15 vítimas mortais.

"Este lote que o Governo da China oferece hoje inclui 10 000 ‘kits’ de teste, 15 000 máscaras especiais N95, 150 000 máscaras cirúrgicas médicas, 5 000 batas médicas, 7 000 óculos de proteção, 7 000 luvas cirúrgicas e 3 000 capas de sapatos descartáveis", afirmou o embaixador da China na Guiné-Bissau, Jin Hong Jun.

A Alta-Comissária para a Luta Contra a Covid-19 na Guiné-Bissau, Magda Robalo da Silva, deixou um desejo: "Esperamos que outros parceiros se possam juntar à China e estender o esforço da solidariedade à Guiné-Bissau".

18h36 (CET) Mais 807 mortes do que o esperado no primeiro mês e meio de desconfinamento em Portugal

Um estudo da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP) revela que nas primeiras seis semanas do desconfinamento morreram em Portugal mais 807 pessoas do que seria esperado nesse período, 41% das quais por outras causas naturais que não a Covid-19.

De acordo com, o estudo “Mortalidade colateral durante o desconfinamento covid-19”, do Barómetro Covid-19, morreram em Portugal, entre 3 de maio e 13 de junho, 11 124 pessoas, mais 807 (+8%) do que os 10 317 óbitos que seriam de esperar nesse período, considerando a mortalidade nos últimos seis anos.

Leia o artigo completo aqui

18h26 (CET) Consórcio da UE diz que raloxifeno pode tratar doentes ligeiros ou assintomáticos

O consórcio Exscalate4CoV, apoiado pela União Europeia, anunciou que o raloxifeno, medicamento genérico usado para tratar a osteoporose, pode ser eficaz para doentes ligeiros ou assintomáticos de Covid-19, estando a testar este potencial.

O executivo comunitário informa, em comunicado, que a equipa descobriu que “o raloxifeno poderá ser eficaz no bloqueio da replicação do vírus nas células, podendo assim travar a progressão da doença, em especial nos casos de deteção precoce ou assintomáticos”.

“Os investigadores indicaram que as suas vantagens incluem a elevada tolerância nos doentes, a segurança e o perfil toxicológico bem conhecido”, explica o executivo comunitário.

O consórcio está agora “a utilizar uma plataforma de supercomputação apoiada pela UE, uma das mais potentes do mundo, para verificar o eventual impacto de moléculas conhecidas na estrutura genómica do novo coronavírus”.

18h15 (CET) Mais 66 mortes e 333 novos contágios em Itália

Em Itália houve mais 66 mortes com coronavírus e 333 novos contágios nas últimas 24 horas, o que significa um novo aumento em relação aos dados divulgados na quarta-feira (329) e os números mais elevados esta semana.

O número total de mortes em Itália subiu para 34 514, enquanto o total acumulado de infetados ascende agora a 238 159.

Nas últimas 24 horas, em Itália foram realizados 58 154 testes, face aos 77 701 anunciados na quarta-feira.

17h50 (CET) Espanha regista 143 novos casos

Espanha registou mais 143 casos de Covid-19 nas últimas 24 horas, mais dois do que na quarta-feira, elevando para 245 248 o total de infetados desde o início da pandemia.

O Ministério da Saúde espanhol informou hoje que morreram na última semana 52 pessoas com a doença.

O total de mortes desde o início da pandemia não tem sido atualizado. O relatório diário com a atualização da situação epidemiológica no país avisa, há já vários dias, que “está a ser efetuada uma validação dos casos dos falecidos que permitirá a correção da série histórica que será atualizada semanalmente”.

17h49 (CET) Investigadores avaliam rejuvenescimento das células estaminais de idosos infetados

Investigadores do Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar (ICBAS), no Porto, vão tentar perceber, através de testes laboratoriais, se as células estaminais de doentes idosos com covid-19 podem ser “rejuvenescidas” e “manipuladas” para regenerar os tecidos pulmonares.

Segundo o investigador do ICBAS, Paulo Correia de Sá, a equipa de investigadores vai ainda “aproveitar um problema associado às células estaminais como uma vantagem” para a Covid-19: o facto destas, quando injetadas perifericamente, ficarem “aprisionadas” no pulmão.

17h33 (CET) Capital Airlines realiza voos de repatriamento entre Portugal e China

A Beijing Capital Airlines vai realizar dois voos de repatriamento entre Portugal e a China, entre Xi'an, no noroeste da China, e Lisboa, nos dias 20 e 27 de junho. A informação foi avançada por fonte da empresa à agência Lusa.

Estes voos acontecem numa altura em que a redução dos voos intercontinentais impossibilitou o regresso a casa de cidadãos de ambos os países.

"Passageiros chineses poderão regressar à China e passageiros detentores do passaporte português poderão embarcar em Xi'an com destino a Portugal, bem como passageiros de outra nacionalidade na União Europeia que façam escala em Lisboa para o seu país", explicou a mesma fonte.

Os dois voos entre Lisboa e Xi'an estão cheios, já que terão de transportar os passageiros cujas viagens estão pendentes desde março passado, mas ainda há lugares livres no sentido contrário, segundo a companhia aérea.

17h20 (CET) Mais 11 casos positivos em Moçambique

Moçambique registou, nas últimas 24 horas, mais 11 casos positivos de Covid-19, elevando o total de infetados pelo novo coronavírus para 662.

Em conferência de imprensa, o Ministério da Saúde informou que "dos casos reportados hoje, 10 são de nacionalidade moçambicana e um é estrangeiro, mas residente no país".

Os 11 novos doentes foram registados na província de Maputo (um), Nampula (um), Tete (um), Cabo Delgado (um), Inhambane (um) e cidade de Maputo (seis).

Do total de 662 casos registados em Moçambique, 599 são de transmissão local e 63 são importados, havendo registo de quatro mortos e sete internados.

O Ministério da Saúde indicou ainda que 175 pessoas estão recuperadas.

17h09 (CET) 489 profissionais de saúde morreram na Rússia

A chefe da Agência Federal Russa de Vigilância Médica, Alla Samoilova, anunciou que já morreram 489 profissionais de saúde contaminados com Covid-19 na Rússia, desde o início da pandemia, número significativamente superior ao revelado no relatório anterior.

Pouco depois das declarações de Alla Samoilova, a Roszdravnadzor veio desdramatizar os dados apresentados pela diretora da instituição.

Num comunicado enviado às agências noticiosas locais, a instituição federal russa de saúde refere que os números apresentados por Alla Samoilova “não são oficiais” e que se "baseiam em dados que circulam na Internet”.

17h05 (CET) Menos de 100 mortos no Irão pela primeira vez em cinco dias

Nas últimas 24 horas morreram mais 87 pessoas devido ao vírus SARS-CoV-2 no Irão. Pela primeira vez em cinco dias, o número de mortes ficou abaixo da barreira dos cem. Segundo o Ministério iraniano da Saúde, o total de mortos da pandemia no Irão situa-se agora nos 9 272.

No mesmo período, mais 2 596 pessoas testaram positivo para o novo coronavírus. O número total de infetados confirmados oficialmente é agora de 197 647.

16h58 (CET) Moçambique estima em 213 milhões custo da assistência a pessoas vulneráveis

O Governo moçambicano estima em 240 milhões de dólares (213 milhões de euros) o custo da assistência a cerca de um milhão de pessoas vulneráveis no país, por causa do impacto da Covid-19.

Os 240 milhões de dólares fazem parte de um total de 700 milhões de dólares (624 milhões de euros) que o país pediu aos parceiros internacionais para cobrir o défice orçamental face à pandemia.

Metade do valor total, 309 milhões de dólares (275 milhões de euros), já foi disponibilizado pelo Fundo Monetário Internacional e, segundo o ministro da Economia e Finanças, Adriano Maleiane, vários outros parceiros manifestaram a intenção de apoiar o país, com destaque para o Banco Mundial, Banco Africano de Desenvolvimento e a União Europeia.

16h41 (CET) Mais 135 mortes no Reino Unido

As mortes por Covid-19 confirmadas por testes no Reino Unido ascendem agora a 42 288, depois de se terem registado mais 135 nas últimas 24 horas. O Reino Unido é o país europeu mais afetado pela pandemia e o terceiro a nível mundial.

O Ministério britânico da Saúde indicou que foram realizados até agora 7 259 555 testes de diagnóstico, dos quais 300 469 deram positivo, incluindo 1218 nas últimas 24 horas.

Os números do Governo referem-se apenas às mortes confirmadas por testes, mas os dados do Instituto Nacional de Estatística britânico indicam que o número real de falecimentos por causa da Covid-19 no Reino Unido supera já as 53 mil.

16h16 (CET) Governo português aprova novos apoios às empresas e trabalhadores

O Governo português aprovou a prorrogação do ‘lay-off’ simplificado até final de julho e novos apoios à retoma da atividade que vão entrar em vigor em agosto e manter-se até final do ano.

As medidas estavam previstas no Programa de Estabilização Económica (PEES), criado na sequência da pandemia de Covid-19 e aprovado há duas semanas no Conselho de Ministros.

O ‘lay-off’ simplificado, que prevê a suspensão do contrato de trabalho ou a redução do horário de trabalho e o pagamento de dois terços da remuneração normal ilíquida, financiada em 70% pela Segurança Social e em 30% pela empresa, terminava inicialmente em junho mas foi prorrogado até final de julho.

A partir de agosto, o ‘lay-off’ simplificado vai continuar a ser possível apenas para as empresas que permanecem encerradas por obrigação legal.

Para as restantes empresas em dificuldades devido à pandemia estão previstos novos apoios a partir de agosto com vista à retoma progressiva da atividade, sem a possibilidade de suspensão do contrato, mas apenas de redução do horário de trabalho.

16h07 (CET) Governo espanhol injeta 4 262 milhões de euros no turismo

O Governo espanhol atribuiu 4 262 milhões de euros para impulsionar a recuperação do turismo, um dos setores mais afetados pela pandemia de Covid-19 no país.

O primeiro-ministro, Pedro Sánchez, fez o anúncio do Plano de Promoção do Setor do Turismo numa cerimónia em Madrid, em que também estiveram seis ministros e representantes de sindicatos, associações patronais e outros serviços públicos e organismos setoriais.

Do montante total anunciado, 3 360 milhões de euros destinam-se a medidas para reativar o setor e 859 milhões para a melhoria da competitividade.

15h49 (CET) Cabo Verde ultrapassa barreira dos 800 casos

Cabo Verde registou, esta quinta-feira, mais 31 casos positivos do novo coronavírus, elevando para 823 o total acumulado a nível nacional.

Os novos casos positivos foram registados quase na sua totalidade na ilha de Santiago (30), dos quais 25 na Praia, dois deles importados de cabo-verdianos repatriados, e que estavam de quarentena num dos hotéis da capital do país.

Os outros casos são nos concelhos de Santa Cruz (2) e Santa Catarina (3), enquanto o outro foi diagnosticado na ilha do Sal.

Desde o início da pandemia, registaram-se sete mortes, dois doentes foram transferidos para os seus países e 385 foram dados como recuperados, perfazendo um total de 429 doentes ativos em todo o arquipélago.

15h00 (CET) Portugueses retidos em Moçambique pedem ao Governo para agilizar repatriamento

Portugueses retidos em Moçambique apelaram ao Governo português para que agilize o processo de repatriamento. As fronteiras do país africano encontram-se encerradas para voos comerciais devido à pandemia de Covid-19.

À Lusa, Carlos Amaral, um dos portugueses retidos no país, disse que houve uma mobilização de um grupo de afetados, que entraram em contacto com o consulado-geral de Portugal em Maputo, mas as respostas não foram esclarecedoras e apontou às autoridades portuguesas uma “falta de sensibilidade para resolverem e trabalharem no problema”.

Leia o artigo completo aqui

14h55 (CET) 448 mil mortos e mais de 8,3 milhões de infetados em todo mundo

A pandemia do novo coronavírus já matou pelo menos 448 994 pessoas e infetou mais de 8,3 milhões em todo o mundo desde dezembro, segundo um balanço da agência AFP baseado em dados oficiais, citado pela Agência Lusa.

Pelo menos 3 845 000 casos foram considerados curados pelas autoridades de saúde.

Contudo, a agência de notícias francesas alerta que o número de casos diagnosticados reflete apenas uma fração do total real de infeções, já que alguns países estão a testar apenas casos graves, outros usam o teste como uma prioridade para rastreamento e muitos países pobres têm uma capacidade limitada de rastreamento.

14h41 (CET) Linha de financiamento é um “bom investimento” para Moçambique

O Instituto Nacional da Segurança Social (INSS) considera que a linha de crédito de 600 milhões de meticais (7,6 milhões de euros) que serão alocados às pequenas e médias empresas para combaterem a Covid-19 é um "bom investimento" para o sistema de segurança social.

Para a linha de crédito, a ser desmobilizada através do Banco Nacional de Investimento, está previsto o prazo de duração de três anos (36 meses) e uma taxa de juro fixada em 4%".

Leia o artigo completo aqui

14h30 (CET) Amnistia Internacional pede ao Egito que pare de intimidar profissionais de saúde

A Amnistia Internacional (AI) pediu às autoridades do Egito para pararem de intimidar e assediar moralmente os profissionais de saúde que criticam a resposta do governo egípcio à pandemia do novo coronavírus.

Desde o início da pandemia, os profissionais de saúde egípcios têm denunciado, entre outras carências, escassez de equipamentos de proteção individual, de testes de rastreio e de camas hospitalares, mesmo para os médicos e enfermeiros que estão na linha da frente do combate ao novo vírus.

“Em vez de proteger os profissionais de saúde da linha da frente, abordando as suas preocupações legítimas em relação à segurança e aos meios de subsistência, as autoridades egípcias estão a lidar com a crise da Covid-19 com as suas habituais manobras repressivas", denunciou a Amnistia Internacional num comunicado.

A AI diz ter documentado a detenção arbitrária de pelo menos oito profissionais de saúde egípcios, incluindo seis médicos e dois farmacêuticos, que partilharam as suas preocupações sobre o sistema de saúde egípcio nas redes sociais entre março e este mês.

A organização não-governamental também denunciou que os profissionais de saúde estão a enfrentar outros tipos de ameaças, bem como sanções administrativas.

14h24 (CET) Portugal com mais 417 casos confirmados e um morto

Portugal regista mais 417 infetados, a maioria na Região de Lisboa e Vale do Tejo, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Há também mais um morto.

Os dados da DGS indicam um total de 1 524 mortes relacionadas com a Covid-19 e de 38 089 casos confirmados.

Em comparação com os dados de quarta-feira, hoje constatou-se um aumento de óbitos de 0,1%. Já os casos de infeção subiram 1,1%.

Na região de Lisboa e Vale do Tejo, onde se tem registado o maior número de surtos, a pandemia de Covid-19 atingiu os 15.971 casos confirmados, mais 325 do que na quarta-feira.

14h07 (CET) Dinamarca reabre fronteiras mas deixa Portugal de fora

A partir de dia 27, a Dinamarca vai permitir que cidadãos de países europeus, do espaço Schengen e do Reino Unido entrem no seu território desde que estes países tenham menos de 20 infeções por 100 mil habitantes por semana. Portugal e a Suécia não cumprem critérios e ficam de fora.

Os turistas só vão poder entrar na Dinamarca se aí ficarem pelo menos seis noites.

14h00 (CET) PE opõe-se a plano recuperação com menos de 500 mil ME em subvenções

Os líderes dos principais grupos políticos do Parlamento Europeu advertiram, esta quinta-feira, o Conselho Europeu que se opõem a um plano de recuperação com menos de 500 mil milhões de euros em subvenções, como propôs a Comissão.

Referindo-se em concreto à proposta da Comissão Europeia de um Fundo de Recuperação para a Europa superar a crise da covid-19 no montante global de 750 mil milhões de euros, dois terços dos quais em subsídios a fundo perdido e os restantes 250 mil milhões em empréstimos, associado a um Quadro Financeiro Plurianual revisto para 2021-2027, no valor de 1,1 biliões de euros, os parlamentares defendem que este, mais que “um bom ponto de partida”, é “o mínimo necessário”.

“Mas acreditamos que 500 mil milhões em subvenções é o mínimo necessário para dar uma resposta europeia credível a uma crise tão grave. Nós opomo-nos a qualquer redução”, apontam, recordando que, “há um mês, 505 dos 705 membros eleitos do Parlamento Europeu votaram a favor de um pacote de 2 biliões de euros para transformar e mitigar o impacto social e económico da crise”, o que, argumentam, é significativo e não pode ser ignorado pelos líderes dos 27.

Numa carta dirigida aos chefes de Estado e de Governo dos 27, na véspera de estes celebrarem uma cimeira por videoconferência para começar a negociar as propostas da Comissão de um Fundo de Recuperação e do próximo orçamento plurianual para 2021-2027, os líderes do Partido Popular Europeu, Socialistas, Renovar a Europa (Liberais), Verdes e Esquerda Unitária exortam o Conselho a alcançar um compromisso ambicioso ainda antes das férias de verão, sustentando que este é também “um teste de confiança popular”.

13h53 (CET) Pequim diz que surto está controlado

O epidemiologista chefe do Centro de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) da China, Wu Zunyou, garantiu que a epidemia na capital está "sob controlo".

"Isto não significa que não haverá novos casos amanhã. Mas [...] serão cada vez menos", assegurou.

Milhares de pessoas esperaram hoje durante horas em filas, em Pequim, para realizar testes ao novo coronavírus, numa altura em que a capital chinesa tenta travar novo surto de Covid-19.

O ministério da Saúde da China registou 21 casos, nas últimas 24 horas, na cidade com 21 milhões de habitantes, elevando o total de casos desde a semana passada para 158.

A vida já tinha retornado ao normal, em Pequim depois de dois meses sem qualquer caso, mas o surgir, há alguns dias, de novo foco de infeção, aumentou o estado de alerta.

Desde sábado, 356 mil testes de ácido nucleico foram realizados na capital chinesa, de acordo com as autoridades municipais.

13h47 (CET) euroAtlantic airways anuncia voo entre Lisboa e São Tomé no sábado

A euroAtlantic airways (EAA) vai realizar, segundo notícia da Agência Lusa, um voo de ida e volta entre Lisboa e São Tomé e Príncipe no sábado, no qual os passageiros terão de usar máscara e ter feito um teste prévio à Covid-19.

O comunicado enviado à Lusa especifica que "o voo STP-8F501 deixa o Aeroporto Humberto Delgado às 00:05 horas" e chega a São Tomé às 05:20 (UTC).

O voo hoje anunciado pela EAA vai também transportar sete toneladas de carga humanitária, médico-hospitalar e medicamentos e no comunicado adianta-se ainda que "os passageiros com destino a Lisboa deverão ser cidadãos europeus ou detentores de residência em território português".

13h30 (CET) Alemanha regista várias centenas de casos nas últimas 24 horas

A Alemanha anunciou, esta quinta-feira, 580 novos casos de Covid-19 e um total de 187 764, mas estes números ainda não contemplam os mais de 600 infetados registados num matadouro, no estado da Renânia do Norte-Vestefália.

De acordo com o Instituto Robert Koch (RKI), a taxa de contágio está agora abaixo da marca crítica de 1, situando-se em 0,86. Este valor indica que um infetado com Covid-19 contagia menos de uma pessoa.

O número de vítimas mortais subiu para 8 856, um aumento de 26 nas últimas 24 horas. Já o número de pessoas consideradas curadas chega agora às 174 100, mais 400 em relação ao dia anterior.

Em Göttingen, cidade da Baixa Saxónia, surgiu um novo foco da doença num complexo residencial onde cerca de uma centena de pessoas testou positivo. Todos os moradores dos edifícios estão em quarentena, num total de 700 pessoas.