Donald Trump "invade" presidenciais da Polónia e acena com militares

Donald Trump "invade" presidenciais da Polónia e acena com militares
Direitos de autor AP / Gregor Fischer
De  Francisco MarquesDarren McCaffrey
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Presidente da Polónia e ainda favorito no sufrágio de domingo, Andrezj Duda visitou a Casa Branca e pode ter ganho mais que simples apoio. Os eleitores decidem

PUBLICIDADE

Trinta milhões de polacos são chamados às urnas no domingo para escolher um novo presidente e tem agora mais um argumento a pesar no sufrágio: as tropas de Donald Trump.

A poucos dias do sufrágio e com o principal rival Rafał Trzaskowski (Plataforma Cívica, centro-direita) a ganhar terreno, o chefe de Estado em exercício e ainda favorito Andrzej Duda (Lei e Justiça, Direita Conservadora) esteve esta quarta-feira nos Estados Unidos, a visitar Donald Trump.

Ambos sem usar máscara, mas mantendo algum distanciamento, trocaram sorrisos e elogios. Destacou-se o anfitrião.

O Presidente dos Estados Unidos elogiou o trabalho do homólogo polaco e admitiu estar a ponderar desviar para a Polónia os militares norte-americanos que anunciou retirar da Alemanha em protesto contra os diferentes contributos de cada país para a Aliança do Tratado do Atlântico Norte (NATO).

Andrezj Duda revelou ter feito esse mesmo pedido a Trump, mas numa ótica, contextualizou a agência France Press, de o líder dos Estados Unidos não retirar as tropas americanas da Europa e assim ajudar a preservar a segurança do continente.

Antes do anúncio de Trump, a importância desta visita a poucos dias das eleições presidenciais no país foi justificada à Euronews pela vice-primeira-ministra da Polónia.

"Estamos a jogar em vários campos. Os Estados Unidos são um importante aliado não só da Polónia, mas da Europa. Isto é algo que defendemos muitas vezes nos últimos quatro anos quando fui ministra adjunta e ministra. Foi algo que debati com os comissários (europeus). Devíamos voltar a sentir a comunidade dos Estados Unidos enquanto europeus", disse-nos Jadwiga Emilewicz.

O editor de política da Euronews Darren McCaffrey não foi surpreendido por esta proximidade entre americanos e polacos.

"Após anos de tensão com a União Europeia em questões como a reforma do sistema judicial ou a independência dos meios de comunicação, este executivo polaco decidiu colar-se politicamente mais a Trump do que à União Europeia. Uma estratégia que espera agradar aos eleitores da Polónia", diz o nosso especialista.

Para o professor polaco de estudos americano, Tomasz Pludowski, "a tendência para a União Europeia é recente" na Polónia.

"Há muitos eleitores, mesmo alguns conservadores , a subscrever os valores europeus, mas sem ter necessariamente de gostar da forma como a União Europeia funciona neste momento. Sentem que a Unio Europeia promove mais os ideais de esquerda, em especial nas questões de género e da comunidade LGBT", resume Pludowski.

Para a oposição polaca, Washington foi pouco mais que propaganda. Perguntámos se isto terá feito parte da campanha a Dariusz Rosati, um antigo ministro dos Negócios Estrangeiros afeto ao partido Plataforma Cívica, de Rafał Trzaskowski.

"Sim, fez. O Presidente Duda espera que esta visita e a foto com Trump lhe deem mais popularidade e um impulso nas urnas. Temos de continuar a ter boas relações com a União Europeia e com os Estados Unidos. A nossa segurança baseia-se em dois pilares, a NATO e a União Europeia, e este governo tem adotado uma política muito colada a um lado, o que é muito perigoso porque tentarmos manter-nos apenas sobre uma perna não é uma posição muito estável", defendeu Dariusz Rosati.

Será preciso esperar por domingo à noite para se perceber o impacto desta visita de Duda a Trump na Polónia, um país onde a pandemia, apesar dos mais de 30 mil casos e 1.300 mortos, não travou a chamada às urnas, mas pode contaminar a participação.

O partido no Governo, o Lei e Justiça, pretende implementar um sistema de voto por correspondência para evitar os aglomerados, mas o processo não foi devidamente testado e há quem lhe aponte vários problemas de segurança e permeabilidade à manipulação do sufrágio.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Uma Polónia cada vez mais dividida"

Andrzej Duda reeleito presidente da Polónia

Eleições locais na Polónia testam Governo de Tusk há menos de quatro meses no poder