Última hora
This content is not available in your region

FBI detém Ghislaine Maxwell, cúmplice de Jeffrey Epstein

euronews_icons_loading
FBI detém Ghislaine Maxwell, cúmplice de Jeffrey Epstein
Direitos de autor  John Minchillo/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved.
Tamanho do texto Aa Aa

O FBI deteve hoje, no estado norte-americano do New Hampshire, a socialite britânica Ghislaine Maxwell por suspeita de ser cúmplice na rede de tráfico sexual de menores liderada pelo milionário pedófilo Jeffrey Epstein, entre 1994 e 1997.

A mulher de 58 anos, que foi presente a tribunal federal, viveu com Epstein e viajava frequentemente com o magnata americano dos mercados financeiros pelo mundo.

"Ghislaine Maxwell teve uma relação pessoal e profissional com Jeffrey Epstein. Foi uma das aliadas de Epstein e ajudou-o a explorar jovens com 14 anos de idade. Teve um papel crítico ao ajudar Epstein a identificar e a fazer amizade com vítimas menores para abuso sexual. Em alguns casos, a própria Ghislaine Maxwell participou dos abusos", sublinhou Audrey Strauss, procuradora interina do distrito sul de Nova Iorque.

Maxwell, que alegadamente geria várias propriedades de Epstein, está acusada de seis crimes: dois de perjúrio, mas também de aliciar menores para envolvimento sexual e de conspiração para que menores viajassem com o propósito de se envolverem em atos sexuais.

"Depois de desenvolver um relacionamento com as vítimas, Ghislaine Maxwell tentava normalizar o abuso sexual com uma vítima menor através de um processo conhecido como grooming, ou assédio sexual a menores através da Internet. Por exemplo, Maxwell discutia temas sexuais com a vítima e despia-se em frente à vítima. Ou estava presente em atos sexuais envolvendo vítimas menores e Epstein", acrescentou Strauss.

Em simultâneo, as portas continuam abertas para ouvir o príncipe André, que manteve uma relação de amizade com Epstein e viu o nome ser arrastado para o caso.

O terceiro filho de Isabel II negou qualquer envolvimento e disse nunca ter visto ou suspeitado de nada quando visitava a casa do magnata.

"Gostaríamos de receber o príncipe André para falar connosco. Gostaríamos de ter o benefício da declaração dele", referiu a procuradora interina do distrito sul de Nova Iorque.

A filha do magnata dos media Robert Maxwell estava foragida desde a prisão de Epstein, há um ano, que se terá suicidado na cadeia.