Última hora
This content is not available in your region

François Ozon apresenta a nova longa-metragem "Été 85"

euronews_icons_loading
François Ozon apresenta a nova longa-metragem "Été 85"
Direitos de autor  Diaphana Distribution
Tamanho do texto Aa Aa

Depois de encenar um caso verídico de pedofilia protagonizado por um padre católico em Lyon, no filme "Graças a Deus", François Ozon regressou à cidade francesa. Desta vez para apresentar "Été 85."

A acompanhá-lo esteve Thierry Frémaux, delegado-geral do Festival de Cinema de Cannes, que escolheu a película para a seleção oficial do evento, este ano cancelado.

Por causa da pandemia de Covid-19, este é o primeiro filme de Cannes a ser lançado no grande ecrã.

"Depois de todo este período de confinamento por causa da Covid-19, tinha vontade de regressar ao cinema. Estava cansado de ver um filme no pequeno ecrã, num computador, em plataformas. Por isso aguardava com expectativa o momento em que fosse possível voltar às salas de cinema. A partir do momento em que Thierry Frémaux nos disse que queria dar ao filme o selo de Cannes, perguntámo-nos: porque não lançá-lo a galope?", explicou, em entrevista à Euronews, o realizador François Ozon.

A película baseia-se no livro de culto "Dance on my Grave", do escritor britânico Aidan Chambers, que Ozon leu quando foi lançado na década de 80. Ao som dos "The Cure", conta a história de um romance de verão entre dois jovens.

"Quando voltei a ler o livro, o que me chamou à atenção foi o facto de ser uma história universal. É uma história de amor. São dois rapazes, mas podiam ser duas raparigas, um rapaz e uma rapariga, uma história heterossexual, mas essa não é a questão essencial. Foi bastante moderno para a época porque em 1985 era complicado assumir uma relação homossexual", acrescentou Ozon.

Como de costume, o realizador francês cruza géneros e alterna entre a luz e a escuridão.

"É um romance de iniciação, de aprendizagem e ao mesmo tempo é uma película que tem em conta os códigos dos filmes adolescentes dos EUA. O que gostei foi de ver a evolução dos personagens ao longo do filme: começamos com uma espécie de imagens de adolescência cliché para chegar a algo mais complexo, bastante profundo no final", esclareceu o realizador.

O filme é lançado a 14 de julho em França, dia de feriado nacional, como forma de comemoração do regresso ao cinema.

Em setembro, é apresentado na seleção oficial do Festival de Cinema de San Sebastián.