Última hora
This content is not available in your region

27 estão longe de consenso sobre Fundo de Recuperação

Access to the comments Comentários
De  Nara Madeira com AP, Eurovision
euronews_icons_loading
27 estão longe de consenso sobre Fundo de Recuperação
Tamanho do texto Aa Aa

"Ainda é necessário muito trabalho" para se alcançar um acordo sobre o Fundo de Recuperação e sobre o próximo orçamento da União Europeia, admitiu esta quarta-feira o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, acrescentando que só com cedências e o compromisso de todos será possível consegui-lo durante a cimeira de líderes dos 27 Estados-membros da UE, que decorre a 17 e 18 de julho.

À procura desse consenso, de Lisboa para Madrid, o chefe do governo italiano, apoiado pelo seu homólogo espanhol, voltou a alertar para a urgência de um acordo que vale 750 mil milhões de euros que servirão para responder à crise provocada pela Covid-19.

Palavras defendidas pelos governantes dos dois dos países europeus mais tocados pela pandemia:

"Imaginem o que significaria não procurar, não encontrar uma resposta europeia forte e coordenada. Destruiríamos o mercado comum, as cadeias de valor e também destruiríamos as nossas economias e toda a Europa seria menos competitiva a nível global", afirmou Giuseppe Conte que terá de convencer Áustria, Dinamarca, Holanda e Suécia relutantes em doar o dinheiro sem pré-condições.

Já numa videoconferência dos países do leste europeu, intitulada "Europa sem Censura", o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, mostrou-se pouco crente num acordo:

"Nós, húngaros, não gostamos de enfrentar nenhuma crise por empréstimo, mas agora temos que aceitar esta abordagem para ajudar os países que estão com problemas. A posição húngara é muito clara, para se criar esse tipo de crédito, a distribuição deve ser justa, flexível e não política, Por isso, acho que teremos negociações muito difíceis na próxima semana em Bruxelas".

Na terça-feira o chefe do executivo português, António Costa e Giuseppe Conte tinham já frisado, que não há tempo a perder que é imperativo o consenso na próxima cimeira, a primeira presencial desde o início da pandemia no velho continente.