EventsEventosPodcast
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Coronavírus mantém-se ativo em França

French Director General of Health Jerome Salomon speaks during a press conference in Paris
French Director General of Health Jerome Salomon speaks during a press conference in Paris Direitos de autor Goeffroy van der Hasselt/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
Direitos de autor Goeffroy van der Hasselt/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Diretor-geral da Saúde, em França, avisa compatriotas que têm de preparar-se para reinício da epidemia de Covid-19 ou para uma eventual segunda vaga.

PUBLICIDADE

O novo coronavírus continua ativo em França. Por todo o país, há cerca de 90 aglomerações a serem monitorizadas de perto.

Em Lyon, por exemplo, após a descoberta no final de junho de 6 casos positivos de Covid-19 numa escola, 450 alunos tiveram de fazer testes de rastreio e estão agora em quarentena.

O Diretor-Geral da Saúde, Jérôme Salomon, diz que a crise sanitária está longe de ter terminado. Numa entrevista ao jornal "Le Figaro", avisa os franceses que "têm de preparar-se para um reinício da epidemia ou mesmo para uma segunda vaga".

Salomon acrescenta que "se quisermos evitar isto, todos devem continuar a cumprir as medidas de barreira, medidas de higiene, distância física e o uso de máscara, especialmente em quando estamos com muitas pessoas ou num espaço fechado".

Uma situação levada a sério pelo novo Primeiro-Ministro, Jean Castex, que anunciou que está a preparar-se para qualquer eventualidade. O governante exclui um novo confinamento geral do país, mas admite o isolamento de algumas regiões mais afetadas, tal como acontece em Espanha ou na Alemanha.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Testes grauitos à Covid-19 na praia e na estação

Restaurantes reabrem em França

Novo ataque em Rafah faz 37 mortos. Casa Branca diz que Israel ainda não passou linhas vermelhas