Última hora
This content is not available in your region

Desmatamento na Amazónia aumenta 25% no primeiro semestre de 2020

euronews_icons_loading
Desmatamento na Amazónia aumenta 25% no primeiro semestre de 2020
Direitos de autor  Leo Correa/Copyright 2019 The Associated Press. All rights reserved.
Tamanho do texto Aa Aa

Mais de três mil quilómetros quadrados de floresta amazónica foram destruídos nos primeiros seis meses de 2020, um aumento de 25% relativamente ao mesmo semestre do ano passado, e se a margem for alargada para onze meses, o aumento é de 64% relativamente ao período homólogo. Os dados foram revelados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais do Brasil e recolhidos através de um sistema de Deteção de Desmatamento em Tempo Real.

Os números mostram a incapacidade que as autoridades brasileiras têm revelado para enfrentar o problema e surgem após uma reunião do governo com investidores estrangeiros onde Hamilton Mourão vincou a ideia de fazer do Brasil a maior potência agrícola do planeta.

Para o vice-presidente brasileiro, as críticas internacionais ao desmatamento refletem interesses geopolíticos:

"É óbvio que aqueles que serão incomodados pelo avanço da produção brasileira, buscarão, de alguma forma, impedir que essa produção evolua como vem ocorrendo."

Hamilton Mourão realçou que o país tem 84% da floresta amazónica preservada e não precisa derrubar nem mais uma árvore, sugerindo que a preservação ambiental fosse financiada por investidores privados.