Oposição apresenta moção de censura contra governo búlgaro

Oposição apresenta moção de censura contra governo búlgaro
Direitos de autor 
De  Ricardo Borges de Carvalho
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Partido Socialista da Bulgária diz que governo de Boyko Borissov não consegue acabar com a corrupção e pede eleições legislativas antecipadas

PUBLICIDADE

Aumenta a tensão política na Bulgária depois do Partido Socialista ter apresentado uma moção de censura ao governo na Assembleia Nacional.

É já a quinta moção ao executivo de Boyko Borissov desde 2017, a última das quais tinha sido em janeiro deste ano.

A líder do Partido Socialista Búlgaro (PSB), Kornelia Ninova, diz que o governo não está a conseguir combater a corrupção no país e que "A única saída para a atual situação, para que haja estabilidade, segurança e prosperidade, é o governo demitir-se para que pessoas inteligentes, competentes e honestas possam tomar conta do país." Ninova acrescenta ainda que o PSB não participará em "nenhum plano de acordo nacional".

Para tentar acalmar a contestação, Boyko Borisov demitiu os ministros do Interior, Economia e Finanças, e apelou à unidade de todos para enfrentar os tempos difíceis que se avizinham.

O chefe do governo lembra que na "situação atual tem de haver uma grande consolidação. Tenho algumas ideias a esse respeito. O que me impede de implementá-las é que há uma reunião do Conselho Europeu esta sexta-feira e sábado. Até agora, negociámos mais dinheiro para a Bulgária e temos de o defender".

Apesar das demissões e da vontade do primeiro-ministro de chegar a um entendimento com a oposição, a contestação ao governo não dá sinais de abrandar. Pelo sétimo dia consecutivo, milhares de pessoas saíram às ruas de Sófia para exigir a demissão do executivo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

A Bulgária está a caminho da deriva autocrática?

Borissov novamente contestado nas ruas

AD sem maioria: futuro do Governo português nas mãos do PS e Chega