EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Deniz Yücel fala em condenação "ilegal" pela justiça turca

Deniz Yücel fala em condenação "ilegal" pela justiça turca
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Jornalista turco-alemão foi condenado à revelia a dois anos e nove meses de prisão.

PUBLICIDADE

Atualmente na Alemanha, o jornalista turco-alemão Deniz Yücel classificou como "ilegal e inconstitucional" a condenação, à revelia, a dois anos e nove meses de prisão.

Um tribunal de Istambul considerou, esta sexta-feira, como provado o delito de "propaganda a favor do PKK, o Partido dos Trabalhadores do Curdistão", classificado como organização terrorista por Ancara.

"O meu caso é uma longa cadeia de violações da lei, mas também conheço os casos de outros colegas na Turquia. É o pão de cada dia destas pessoas, violar a lei, até mesmo a própria Constituição", sublinhou o jornalista.

Yücel foi detido em 2017. Chegou a cumprir um ano e meio de prisão preventiva, mas a pena foi agora agravada, por ter cometido esse delito “na imprensa e de forma reiterada."

Em 2018 foi libertado e voltou à Alemanha, estando ausente do julgamento desta sexta-feira.

O chefe da diplomacia alemã, Heiko Maas, considerou as investigações "completamente incompreensíveis." No Twitter sublinhou que continuam a existir diferenças consideráveis entre Berlim e Ancara em matéria da proteção de liberdade de imprensa e de opinião.

Yücel, correspondente e colunista do diário "Die Welt", sublinhou, por outro lado, que a Alemanha e outros países europeus enfrentam uma tarefa difícil: "continuar a tratar a Turquia como parceiro - porque a Turquia não é apenas Recep Tayyip Erdoğan - sem se tornarem cúmplices do regime autoritário e mafioso."

O jornalista considera que uma entrevista realizada a um dirigente do PKK se incluiu na sua atividade jornalística.

Esta sexta-feira, o tribunal de primeira instância absolveu Yücel das acusações de incitamento ao ódio e de propaganda a favor da confraria do predicador islamita Fethullah Gülen. Ancara atribuiu ao clérigo turco a responsabilidade pelo fracassado golpe de Estado de julho de 2016.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Líderes dos rivais regionais Grécia e Turquia reúnem-se para estreitar relações

Turquia corta relações comerciais com Israel até que haja um cessar-fogo em Gaza

Israel confirma morte de refém luso-israelita