Última hora
This content is not available in your region

Recurso à máscara propaga-se pela Europa no contra-ataque à Covid-19

euronews_icons_loading
Aumenta a obrigação do uso de máscaras para reforçar a contenção da Covid-19
Aumenta a obrigação do uso de máscaras para reforçar a contenção da Covid-19   -   Direitos de autor  AP Photo/Emilio Morenatti   -   Торговая улица в Лилле
Tamanho do texto Aa Aa

O uso obrigatório de máscara para conter o agravamento da Covid-19 está a crescer pela Europa depois de a Organização Mundial de Saúde ter admitido que a transmissão do novo coronavírus se pode fazer pelo ar. França é o mais recente país europeu a alargar a obrigação.

Com cerca de 400 ou 500 surtos ativos no país, o governo francês decidiu incluir a partir de hoje o interior das lojas, os centros comerciais, administrações, bancos e mercados cobertos na lista onde o uso de máscara passa a ser obrigatório.

O incumprimento do porte de máscara é sancionado com uma multa de €135.

O ministro da Saúde, Olivier Véran, partilhou esta manhã pelas redes sociais a lista revista dos locais onde o uso de máscara é agora obrigatório em França.

Em período de férias, o aparente relaxamento das pessoas levou as autoridades gaulesas a reforçar as regras para manter a população em estado de alerta perante uma epidemia que se mantém ativa.

Um novo fecho da fronteira francesa com Espanha estará a ser ponderado pelo executivo agora liderado por Jean Castex, depois dos mais de 1.000 casos de infeção registados na Catalunha, e que levaram as autoridades regionais "fechar" Lérida e a recomendar o reconfinamento domiciliário em Barcelona.

O nordeste de Espanha é agora uma zona inquietante devido à Covid-19, mas também em populares destinos de férias cresce a preocupação devido aos surtos resultantes do ajuntamento de pessoas em espaços de diversão noturna sem respeitar o distanciamento recomendado nem o uso de máscara.

O próprio responsável espanhol do Centro de Coordenação de Alertas e Emergências de Saúde, Fernando Simón, foi visto há poucos dias a desfrutar de uns dias de praia e Portugal sem usar máscara em espaços públicos a céu aberto. O que gerou um debate em Espanha.

Em Portugal, o uso de máscara mantém-se "uma medida adicional de proteção", de acordo com a Direção-geral de Saúde. "A sua utilização é obrigatória em espaços públicos fechados, como transportes públicos ou estabelecimentos comerciais", lê-se no portal na DGS.

Detido por recusar usar máscara em autocarro

Um homem de 22 anos foi detido em Lisboa após agredir no sábado o motorista de um autocarro que o interpelou para que colocasse uma máscara, obrigatória em transportes públicos.

“O motorista informou que ao chamar o autor do ilícito à atenção por não fazer uso de máscara, e não poder entrar no transporte público, aquele partiu de forma violenta para agressão física, atingindo-o na cara com vários socos, empunhando de seguida uma arma branca com a qual ameaçou os presentes, colocando-se em fuga de imediato", referiu o Comando Metropolitano da PSP de Lisboa (Cometlis).

Em Espanha, o uso de máscara é obrigatório em quase todo o país. Sobretudo também em locais fechados, mas em muitos municípios também para circular na via pública, como em Barcelona.

Apenas na comunidade de Madrid se pode andar na rua sem máscara, numa permissão que as autoridades locais mantêm dependente do comportamento das pessoas.

Na Grécia, um dos destinos de férias atualmente mais procurados na Europa, o uso de máscara passou a ser obrigatório dentro dos supermercados desde sábado.

As autoridades helénicas estão preocupadas com o rápido aumento de pessoas a circular pelas zonas mais turísticas do país e tentam manter cidadãos e turistas em alerta perante um ainda lento, mas progressivo aumento de novos casos de infeção pelo novo coronavírus na Grécia.

Um dos primeiros países a avançar para o desconfinamento, a Áustria revela-se agora também preocupada com os sinais de um novo agravamento da epidemia.

O governo federal pondera neste momento o regresso ao uso obrigatório de máscara, sobretudo para manter as pessoas conscientes de que a epidemia se mantém ativa na Europa.