Última hora
This content is not available in your region

Vacina de Oxford é a mais avançada para vencer Covid-19

euronews_icons_loading
Vacina de Oxford é a mais avançada para vencer Covid-19
Direitos de autor  DOUGLAS MAGNO/AFP or licensors
Tamanho do texto Aa Aa

Uma empresa italiana que no passado se uniu à luta contra o Ébola assinou um acordo com a Universidade de Oxford para desenvolver a nova vacina contra o novo coronavírus. A vacina Oxford-AstraZeneca, conhecida como AZD1222, é uma das 150 em desenvolvimento a nível mundial, mas é considerada a mais avançada.

Os primeiros resultados do estudo sugerem que a vacina produz uma boa resposta imunológica, sem efeitos colaterais graves. A Euronews conversou com o diretor da empresa italiana que trabalhou no projeto.

Perante a ameaça de uma segunda vaga de infeções de COVID-19, os investigadores italianos juntaram-se à corrida para desenvolver uma vacina contra o coronavírus. O grupo IRBM, nos arredores de Roma, contribuiu para o produção das primeiras doses da vacina experimental desenvolvida pelo grupo farmacêutico AstraZeneca e por cientistas da Universidade de Oxford. Os resultados dos primeiros testes clínicos são encorajadores.

“Os resultados são positivos, pois não só mostram que a vacina é segura mas também que houve uma forte resposta imunológica, que induziu anticorpos em mais de 90% dos indivíduos após uma dose e a 100% no caso dos que receberam uma segunda dose - o que é muito forte.”
Matteo Liguori
Diretor - IRBM

Mas ainda há um longo caminho a percorrer antes da vacina estar pronta. Os testes em voluntários ainda estão em andamento e a distribuição em larga escala não poderá começar antes do final do ano. “O maior desafio no caso desta vacina e de outras vacinas que estão a ser desenvolvidas é o aumento da produção num prazo limitado. À medida que o vírus se espalha fortemente, os potenciais utilizadores podem ser qualquer pessoa... estamos a falar de cerca de 7,5 mil milhões de pessoas em todo o mundo. Apenas um grupo framacêutico a lidar com a questão não é suficiente", disse Liguori Managing.

O grupo AstraZeneca assinou um acordo com alguns países europeus para fazer a entrega do primeiro lote, com 60 milhões de doses, até o final do ano. Estarão disponíveis 400 milhões até 2021. Mas os investigadores dizem que a corrida para terminar vacina não é uma competição.

Cada projeto candidato está a avançar o mais rápido possível, enquanto radioscoper e partilhamos informações com outros, o que acontecia raramente no passado.
Matteo Liguori
Diretor grupo IRBM

É altamente provável que pessoas pertencentes a grupos de risco, com condições de saúde pré-existentes tenham prioridade em relação às outras para receber a vacina. Mas ainda é difícil prever o tempo necessário até que a população mundial possa estar imune ao novo coronavírus.