Desemprego faz disparar pedidos de ajuda no Algarve

Refood ajuda 300 pessoas em Faro
Refood ajuda 300 pessoas em Faro Direitos de autor Euronews
Direitos de autor Euronews
De  Filipa Soares
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A taxa de desemprego no Algarve subiu quase 232% em junho, face ao mesmo período do ano passado. A economia da região portuguesa depende do Turismo sobretudo durante o verão, mas os níveis de ocupação em tempos de pandemia nem parecem de época alta.

PUBLICIDADE

A taxa de desemprego no Algarve subiu quase 232% em junho, face ao mesmo período do ano passado. A economia da região portuguesa depende do Turismo sobretudo durante o verão, mas os níveis de ocupação em tempos de pandemia nem parecem de época alta. A decisão de Londres de impor quarentena aos viajantes provenientes de Portugal foi um rude golpe para o Algarve, habituado a receber cerca de dois milhões de britânicos por ano.

O número de pedidos de ajuda que chega à Refood de Faro não para de aumentar desde março, como realçam Carlos Reis e Paula Matias, coordenadores dos voluntários da IPSS que recolhem e distribuem a comida. Antes da pandemia entregavam alimentos a 114 pessoas, enquanto agora já são 300 os beneficiários da ajuda.

A ajuda da Refood foi vital para a família de um jovem, que prefere não dar a cara, que perdeu o emprego no setor do Turismo, na sequência da pandemia. A mulher também não conseguiu voltar a encontrar emprego na área, depois de ter sido mãe.

“Quando isto aconteceu nós ficámos apenas com o meu subsídio de desemprego como rendimento, o que não dá quase para nada, é quase o custo da renda, e então disseram-nos para nos dirigirmos à câmara e encaminharam-nos para esta associação, que é a Refood, que nos dava uma ajuda na alimentação: vegetais, legumes, fruta, pão, massas, às vezes, também nos dava carne", diz o homem que durante anos teve vários empregos no setor do Turismo, no Algarve.

"Há décadas que a época alta no Algarve não era tão calma, mas quando os trabalhos temporários acabarem em outubro, o mercado laboral aqui no Algarve deve deteriorar-se ainda mais", conclui a correspondente da Euronews em Portugal, Filipa Soares.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Enchente de britânicos surpreende o Algarve

Taxa turística de dormida em Lisboa vai duplicar

Cerca de 5 milhões em situação de insegurança alimentar no Haiti devido a violência