Última hora
This content is not available in your region

As vozes da Bielorrússia

euronews_icons_loading
As vozes da Bielorrússia
Direitos de autor  Viktor Drachev/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved.
Tamanho do texto Aa Aa

Nos últimos dias, os bielorrussos têm tentado fazer ouvir as suas ideias sobre o futuro do país.

Nas várias manifestações, que ocorrem em vários pontos da Bielorrússia, os manifestantes afirmam que estão a defender a liberdade de expressão, a liberdade de escolha e a liberdade de reunião.

Na quinta-feira, vários mineiros em greve reuniram-se para discutirem sobre o futuro de um movimento que está sob uma pressão sem precedentes.

De acordo com um dos membros do comité de greve, Roman Bondarovets, "uma pessoa desapareceu. Há quatro horas que não responde às chamadas. O departamento distrital local de assuntos internos informou que ele não está presente. A pressão começou. As pessoas estão a começar a desaparecer, novamente."

Tradicionalmente, parte do eleitorado de Alexander Lukashenko, os trabalhadores das fábricas estatais viraram-se contra o presidente e rejeitaram os resultados eleitorais que o conduziram a um sexto mandato.

A contestação dos resultados do escrutínio mergulhou a Bielorrússia numa profunda crise.

Mas nem todas as pessoas se querem envolver...

A cidade de Soligorsk situa-se a cerca de 100 km a sul da capital Minsk e serve de exemplo para a complexa situação que se vive no país.

Após 26 anos com um líder com "tendências" autoritárias autodestrutivas, reina uma aparente apatia entre alguns eleitores.

Uma mistura de resignação... E medo intrínseco

Algumas pessoas compram memorabilia para instituições pois dizem que quando a penduram nos escritórios, as pessoas comportam-se.

A crise na Bielorrússia pode muito bem durar meses ou mesmo anos

Depois de décadas de silêncio, são muitas as pessoas que continuam a não conseguir fazer ouvir as suas vozes.