Última hora
This content is not available in your region

Taxa de infeção por Covid-19 dispara no sul de França

euronews_icons_loading
Taxa de infeção por Covid-19 dispara no sul de França
Direitos de autor  Daniel Cole/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
Tamanho do texto Aa Aa

Tal como acontece todos os anos, em agosto os franceses vão de férias.

Muitos dirigem-se para as montanhas ou o campo enquanto outros instalam-se na costa mediterrânica.

Mas o ambiente de férias leva muitos a esquecerem ou renunciarem às regras destinadas a evitar o contágio por Covid-19.

É o caso de Marselha onde as regras de distanciamento social parecem estar a ser ignoradas em vários locais públicos como é o caso da praia do Prado.

Ao longo da Riviera francesa, os restaurantes tentam proporcionar um ambiente relaxado e ao mesmo tempo aplicar as regras definidas pelo governo.

"Nas férias as pessoas juntam-se, o ambiente é relaxado e as pessoas baixam a guarda. Cabe-nos a nós controlar e acalmar quaisquer excessos", afirma o gerente do estabelecimento Club 55.

Mesmo assim, nem todos os estabelecimentos cumprem os regulamentos que obrigam os empregados de mesa a envergarem máscaras e a manterem o distanciamento.

O afluxo de turistas e o relaxamento das regras levou ao aumento da taxa de infeção.

Nas regiões do sul de França a taxa de reprodução do vírus é agora mais elevada do que na capital francesa.

As autoridades sanitárias esforçaram-se por manter esta taxa abaixo de 1 e já alertaram que se este valor atingir 2 as consequências podem ser devastadoras.

"As cidades fizeram os possíveis para combater o aumento de infeções e retirar a região da zona de perigo. Há semanas que envergar máscara é obrigatório na maior parte dos bairros de Marselha. Outros locais de férias ao longo da costa mediterrânica seguiram o mesmo exemplo", afirma o repórter da euronews em Marselha, Ryan Thompson.

Mas cumprir a lei tem-se revelado um desafio.

A polícia relembra os residentes locais assim como os turistas de que usar máscara não é uma recomendação mas sim uma regra.

Os prevaricadores podem enfrentar multas a partir de 135 euros.