EventsEventosPodcast
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Macron apela a instalação rápida de Governo de missão no Líbano

Macron apela a instalação rápida de Governo de missão no Líbano
Direitos de autor GONZALO FUENTES/AFP
Direitos de autor GONZALO FUENTES/AFP
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Emmanuel Macro visita o Líbano pela segunda vez após explosão em Beirute. O Presidente francês espera que Governo de missão de Mustapha Adib entre rapidamente em funções

PUBLICIDADE

Emmanuel Macron apelou à rápida instalação de um Governo de missão no Líbano. Esta é a segunda vez que o presidente francês visita o país no rescaldo da explosão de 04 de agosto que destruiu grande parte de Beirute e matou 190 pessoas.

O chefe de Estado gaulês foi recebido pelo homólogo libanês Michel Aoun, poucas horas depois de o diplomata Mustapha Adib ter sido confirmado como o novo primeiro-ministro do país, pelo Parlamento.

Emmanuel Macron sublinhou que não lhe cabe "aprovar ou comentar" pois era "a soberania libanesa que estava em jogo". O presidente francês pretendeu assegurar-se "que vai mesmo ser constituído um Governo de missão, o mais rapidamente possível, para implementar as reformas necessárias, ao serviço dos libaneses".

O objetivo da visita de Macron ao Líbano é ajudar o país a sair do marasmo em que mergulhou após a explosão. O seu envolvimento granjeou-lhe elogios e críticas.

Ainda na noite de segunda-feira, o presidente francês visitou diva Fairouz, símbolo nacional do Líbano e tida como uma figura unificadora no país. Mais tarde, encontrou-se com o antigo primeiro-ministro Saad Hariri.

Esta terça-feira, Emmanuel Macron visita os quarteirões devastados pela explosão e participa nas celebrações do primeiro centenário da nacionalidade libanesa, proclamada em 1920 pelo general francês Henri Gouraud.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Carro de ministro libanês atingido por disparos

Três anos após explosão no porto de Beirute, ainda não há responsáveis

Requerentes de asilo em Dublin queixam-se de tratamento “desumano”por parte do Governo