EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Terra perdeu 68% da fauna selvagem desde 1970

Terra perdeu 68% da fauna selvagem desde 1970
Direitos de autor WWF / Vincent Kneefel
Direitos de autor WWF / Vincent Kneefel
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

"Relatório Planeta Vivo 2020" da WWF aponta dedo à ação humana

PUBLICIDADE

O aviso chega da World Wide Fund for Nature através do seu "Relatório Planeta Vivo 2020" e os números são alarmantes: a Terra assistiu a um forte declinío na biodiversidade, com a perda de mais de dois terços da fauna selvagem nas últimas cinco décadas.

A publicação da WWF revela que as populações de mamíferos, aves, peixes, répteis e anfíbios reduziram em 68% entre 1970 e 2016. 

Essa redução é ainda mais acentuada nas espécies de água doce, que registaram uma perda de 84% nas populações globais.

A situação é particularmente alarmante na América Central e Latina, onde o declínio é de 94%.

A principal causa na perda da biodiversidade é a ação humana, através da destruição de habitats naturais.

Na Europa, o destino das borboletas oferece um importante indicativo das tendências, graças ao elevado número de estudos realizados nas populações destes insetos nas últimas três décadas, que revelam um declínio médio de 49% entre 1990 e 2017 nas espécies estudadas em 16 países europeus.

A divulgação do relatório da WWF coincide com a publicação, na revista Nature, de um estudo realizado em colaboração com quatro dezenas de ONGs, que indica que é possível inverter a curva da perda de biodiversidade, mas que para tal são necessárias medidas imediatas e ambiciosas, nomeadamente a respeito dos hábitos de consumo humanos e das práticas de produção de alimentos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Arganaz raro encontrado na Áustria

Quase metade dos animais migratórios estão em risco

G20 lança aliança global para biocombustíveis mais ecológicos