Última hora
This content is not available in your region

Polacos solidários com bielorrussos

euronews_icons_loading
Polacos solidários com bielorrussos
Direitos de autor  euronews
Tamanho do texto Aa Aa

Desde o início dos protestos na Bielorrússia, na Polónia têm-se multiplicado atos de solidariedade para com seus vizinhos.

Stefan Socha e a mulher fizeram vários quilómetros para participar numa manifestação de apoio aos bielorrussos organizada por motociclistas. Desta vez, o protesto fez-se junto da fronteira que divide os dois países.

Socha diz que "a situação na Bielorrússia é óbvia " e que estão todos solidários. Querem, por isso, mostrar que estão com a população, que se preocupam. "Que toda a Polónia e, também, a Europa, estão ao seu lado.

Há alguns dias, Alexander Lukashenko anunciou que iria fechar as fronteiras com a Lituânia e a Polónia e que iria colocar o exército a vigiá-las.

Hanna Kominch conta que saiu da Bielorrússia por causa do Governo de Lukashenko pois diz que era impossível ter uma vida pacifica. A bielorrussa não acredita no encerramento da fronteira pois "isso seria outro disparate político que o Governo iria introduzir."

Anton Byk é bielorrusso e vive na Polónia.

O homem afirma que "com o presidente Lukashenko, estamos a morrer como seres humanos, como nação... É muito mau. É uma pena que tudo ocorra desta maneira, que as pessoas sejam espancadas... Não está certo. As autoridades não devem agir desta forma.

O polaco Stefan Socha sublinha que ninguém pode ficar indiferente e que e necessário "mostrar, sempre, quando as coisas correm mal, em voz alta. É preciso estar com as pessoas."

O Governo polaco condenou as palavras de Alexander Lukashenko.

O subsecretário de Estado do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Polónia, Pawel Jablonski, referiu que consideram que são "um instrumento numa guerra psicológica que está a travar sobretudo contra o próprio povo. Ele tem feito isso desde o início, desde as eleições fraudulentas.

Por enquanto, a fronteira funciona normalmente, mas os protestos contra Lukashenko não parecem cessar tão cedo.