Última hora
This content is not available in your region

Von der Leyen: "Respeitamos os compromissos que assumimos"

euronews_icons_loading
Von der Leyen: "Respeitamos os compromissos que assumimos"
Direitos de autor  AP
Tamanho do texto Aa Aa

Pode ser o primeiro passo para um divórcio realmente litigioso. Bruxelas lançou um processo de infração contra Londres por violação do que já estava ratificado no acordo de saída. Em reta final de negociações do Brexit, a presidente da Comissão Europeia não deixa de fazer uso da diplomacia.

"Enviámos uma notificação formal aos nossos amigos britânicos porque queremos esclarecer a situação. Entretanto, continuamos a trabalhar para implementar o acordo de saída dentro dos prazos. Nós respeitamos os compromissos que assumimos", vinca Ursula von der Leyen.

A mensagem vai diretamente para Boris Johnson, que conseguiu fazer aprovar na Câmara dos Comuns uma lei que confere poderes unilaterais sobre a questão da fronteira irlandesa. Mas há muitas divisões.

Enviámos uma notificação formal aos nossos amigos britânicos porque queremos esclarecer a situação. Entretanto, continuamos a trabalhar para implementar o acordo de saída dentro dos prazos.
Ursula von der Leyen
Pres. da Comissão Europeia

"Temos de nos concentrar novamente em conseguir um acordo de livre comércio. Ambos os lados estão a perder o bom senso. É crucial voltarmos a focar-nos no que realmente interessa", salienta Crispin Blunt, deputado conservador.

Tadhg Enright, jornalista da Euronews, aponta que "o governo britânico está a optar por manifestar-se o menos possível sobre este assunto. Ainda não há uma resposta à notificação da União Europeia. A verdade é que o executivo sabe que o Partido Conservador está dividido sobre a questão. A antiga primeira-ministra Theresa May criticou a polémica lei e foi uma dos vinte deputados conservadores que não participaram no voto. No entanto, ainda falta a decisão da Câmara dos Lordes. Esse voto foi adiado para depois das negociações cruciais do Brexit que se avizinham. Se, entretanto, surgir um acordo comercial, deixa de haver razão para este braço de ferro."