EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Emmanuel Macron anuncia recolher obrigatório

Emmanuel Macron anuncia recolher obrigatório
Direitos de autor AP Photo/Lewis Joly
Direitos de autor AP Photo/Lewis Joly
De  Nara Madeira com AFP, AP
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Presidente francês anuncia recolher obrigatório. Habitantes de nove áreas metropolitanas obrigados a ficar em casa entre as 21h e as 06h da manhã.

PUBLICIDADE

O presidente francês anunciou, esta quarta-feira, o recolher obrigatório, entre as 21h e as 06h da manhã, em nove áreas metropolitanas. No caso de Paris ele abrange toda a região de Île-de-France, as outras áreas visadas são Grenoble, Lille, Rouen, Saint-Étienne, Lyon, Toulouse, Montpellier e a área que abrange Aix-en-Provence e Marselha. Trata-se das regiões mais populosas e com maior incidência do vírus. 

Os habitantes podem sair de casa, no período de recolher obrigatório, por questões de saúde ou de trabalho.

Uma decisão tornada pública numa entrevista à TF1 e France 2, a partir do Palácio do Eliseu, a residência oficial do chefe de Estado gaulês e quando o país contabilizou 104 mortes, o número mais elevado em cinco meses, e mais de 22.500 novos casos de infeção.

Emmanuel Macron fez questão de lembrar que a Covid-19 pode ter matado mais pessoas com idade superior a 65 anos mas ela afeta todas as idades, acrescentando que há quem não recupere o olfato ou tenha ficado com insuficiência respiratória.

Macron recordou ainda que os profissionais de saúde estão "exaustos" e apelou ao "civismo" e à "responsabilidade dos cidadãos".

Sobre a gestão da crise, da primeira vaga do vírus, o chefe de Estado admitiu que houve atrasos e falta de organização na resposta à pandemia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

França e Reino Unido agravam restrições, Itália afrouxa

França agrava alerta máximo e fecha bares à Covid-19

Líder da extrema-direita opõe-se ao envio de tropas francesas para a Ucrânia