Última hora
This content is not available in your region

Portugal impõe a máscara e em Itália uma região confina o "Halloween"

euronews_icons_loading
Portugal impõe a máscara e em Itália uma região confina o "Halloween"
Direitos de autor  Ap
Tamanho do texto Aa Aa

O Parlamento português aprovou, esta sexta-feira, "imposição transitória da obrigatoriedade do uso de máscaras em espaços públicos".

Esta é uma medida que estará em vigor nos próximos 70 dias no país e quem desobedecer poderá ter de pagar uma coima entre os 100 e 500 euros.

A nova legislação tem como objetivo travar a segunda vaga da pandemia da Covid-19 e surge um dia depois de o Executivo ter anunciado que vai proibir a circulação entre concelhos entre as 00 horas do dia 30 de outubro e as 23 horas do dia três de novembro.

Entretanto, na região de Campânia, em Itália, o governador anunciou um recolher obrigatório para o fim de semana de Finados que coincide com a festa do Halloween e as escolas vão permanecer encerradas até ao dia 30 de outubro. Uma medida que mereceu a desaprovação do Governo de Giuseppe Conte.

Numa comunicação em vídeo, o governador Vincenzo de Luca, afirmou que considera o Halloween "um monumento à imbecilidade" e há muitas pessoas que estão a preparar festas.

"Nesse fim de semana de outubro, será imposto um recolher obrigatório a partir das 22 horas. Não será permitida a mobilidade. Provavelmente serão tomadas decisões para bloquear a mobilidade após a meia-noite, também, nos próximos dias".

Em Espanha, o presidente do Governo diz que serão tomadas "todas as medidas que forem necessárias" para reduzir o número de infeções.

Pedro Sánchez afirmou que o número real de infetados no país ultrapassa os três milhões.

O chefe de governo pediu "novos sacrifícios" aos espanhóis para se alcançar uma incidência acumulada abaixo dos 25 casos por cem mil habitantes.

Na Grécia, todos as pessoas com mais de 12 anos terão de usar uma máscara em todos os espaços públicos exteriores.

Haverá também um recolher obrigatório noturno em dois dos seis distritos.

Já a Suécia, o país que rejeitou confinamentos, está a assistir a um aumento de infeções, pelo que está a introduzir medidas mais restritivas.