Última hora
This content is not available in your region

Raiva e violência contra restrições para combater Covid-19

euronews_icons_loading
Raiva e violência contra restrições para combater Covid-19
Direitos de autor  euronews
Tamanho do texto Aa Aa

Os protestos contras as novas restrições para combater a pandemia da Covid-19 degeneraram em confrontos entre forças da autoridade e manifestantes em Itália.

Centenas de pessoas em Turim, Milão, Nápoles e outras cidades do país protestaram violentamente, esta noite, contra a decisão do Governo de encerrar restaurantes e cafés às 18 horas, nos próximos 30 dias, assim como fechar ginásios, cinemas e outros locais de lazer.

Em Turim, as manifestações tiveram um início pacífico e foram organizadas, em especial por donos de estabelecimentos de restauração que dizem estar desesperados.

Ivan Fontana afirma que precisam trabalhar pois é preciso manter a economia, os empregos e o sustento das famílias. Em lágrimas, diz estar desesperado pois é dono do próprio restaurante há oito anos e não quer perdê-lo.

Já Sara Popolo frisa que mesmo que lhe tenham dito para fechar as portas do seu restaurante às 18 horas teve de terminar o trabalho às 16 pois "ninguém apareceu"

As restrições entraram em vigor no domingo depois de Itália ter registado mais de meio milhão de casos confirmados de infeções pelo novo coronavírus desde o início da pandemia.

Em Turim, a repórter da euronews Giulia Avataneo, relata:

"Caixotes do lixo incendiados, barricadas nas ruas. Eis o que resta na cidade à medida que o recolher obrigatório entra em vigor. Uma parte da manifestação contra as restrições recentemente impostas degenerou em confrontos com a polícia. Do lado oposto, o protesto pacífico dos proprietários de bares e restaurantes deu voz a uma indústria que enfrenta sérias dificuldades devido às novas medidas impostas pelo Governo".