Última hora
This content is not available in your region

Hospital de S. João alerta para "recursos limitados" face à covid-19

euronews_icons_loading
Hospital de São João
Hospital de São João   -   Direitos de autor  ESTELA SILVA/ 2020 LUSA - Agência de Notícias de Portugal, S.A.
Tamanho do texto Aa Aa

O inverno ainda não chegou e as unidades hospitalares estão já a alertar para a saturação dos serviços em Portugal. No Hospital de São João, o maior da região norte do país, há já alas esgotadas por causa da covid-19.

A unidade de cuidados intensivos dedicada à covid-19 está entre os espaços mais concorridos. "Está cheia", afirma Nuno Príncipe, coordenador da unidade.

No dia 13 de outubro, a unidade hospitalar ativou o plano três de contingência, permitindo alocar camas a outras patologias, reorganizar serviços e adiar até 20% das cirurgias.

A evolução deveu-se ao súbito número de pessoas com SARS-COV-2 que tiveram de ser internadas. "Deparámo-nos com um aumento bombástico", explica Jorge Almeida, diretor do Serviço de Medicina Interna do H.S. João. Mas o pior, garante, ainda está para vir. "Infelizmente o inverno ainda não começou, no inverno há mais doenças respiratórias e há mais descompensações de doenças crónicas, independentemente da atividade viral".

A experiência acumulada permite aos profissionais de saúde lidar hoje melhor com a doença do que em março. No entanto, alertam, os recursos continuam a ser limitados.

Rosa Moreira é enfermeira no mesmo hospital e trabalha, desde o início da pandemia, com pacientes com covid-19. Realça a "experiência acumulada", mas alerta igualmente para "um cansaço que também já se faz notar".

A falta de meios dos hospitais para fazer face ao número crescente de doentes e internamentos por causa do coronavírus leva o coordenador da unidade de cuidados intensivos a traçar o cenário a curto prazo: "ou se diminui a procura, a quantidade de doentes que são infetados, ou então a nossa resposta pode não ser a ideal, ou a ótima".

De acordo com a ministra portuguesa da Saúde, Marta Temido, Portugal pode vir a bater esta semana o número de internados em cuidados intensivos infetados com covid-19.