Última hora
This content is not available in your region

Da canábis ao aborto: descubra as votações paralelas às Presidenciais

euronews_icons_loading
A nova bandeira do Mississipi, canábis e aborto também foram a votos
A nova bandeira do Mississipi, canábis e aborto também foram a votos   -   Direitos de autor  AP/ Rogelio V. Solis/ Julio Cortez/ Jose Luis Magana
Tamanho do texto Aa Aa

À margem das grandes decisões da nação, a chamada às urnas desta terça-feira nos Estados Unidos ficou também marcada por mais de 120 votações paralelas e mais locais. Algumas bem curiosas e até reveladoras das diferenças internas entre estados.

A Florida, por exemplo, tornou-se no oitavo estado a aprovar o aumento do salário mínimo.

Atualmente nos 8,56 dólares/hora (cerca de €7,3/h), o aumento será progressivo e começa já no próximo ano nos 10 dólares/hora (€8,5/h) e tem previsto chegar aos 15 dólares/hora (€12,8/h) em 2026.

Nova Jérsia, Arizona, Dacota do Sul e Montana aprovaram decretos para legalizar a posse de marijuana para uso recreativo pessoal por adultos, elevando a conta para 15 estados onde consumir canábis passa a ser legal.

O Dacota do Sul e o Mississipi aprovaram ainda o uso medicinal da canábis, a partir de agora possível em 35 estados norte-americanos.

O Oregon aprovou a descriminalização da posse de pequenas quantidades de quase todos os tipos de narcóticos.

No Delaware foi feita história na votação para o Senado. A democrata Sarah McBride tornou-se no primeiro senador transgénero na história dos Estados Unidos e na mais alta patente da comunidade LGBTQ+ nas terras do "Tio Sam".

No Mississipi, além do referido uso medicinal da canábis, foi também aprovada a mudança para uma nova bandeira estadual sem referência à antiga Confederação e por conseguinte eliminando as referências à escravatura.

A mudança da bandeira será passada a lei no próximo ano, com a integração de uma magnólia branca no novo estandarte do Mississipi.

Na escolha do novo congresso, a Geórgia elegeu a republicana Marjorie Taylor Greene, uma controversa promotora das conspirações pró-Trump propagadas pela rede de informações falsas QAnon.

O FBI já tinha avisado Marjorie Taylor Greene de poder incorrer num crime de traição se mantivesse a defesa da "Q", mas os eleitores não se importaram com essa ligação e decidiram mesmo ser representados por esta alegada promotora de conspirações.

No Luisiana foi dado um passo atrás na proteção do direito ao aborto.

A partir das seis semanas de gestação, quando os fetos começam a revelar batimentos cardíacos, as mulheres deixam de poder recorrer à interrupção voluntária da gravidez exceto em caso de risco de vida.